Daniel Bessa: “É incontornável um corte de pensões com ação retroativa”

Daniel Bessa
Daniel Bessa

Num momento em que os pensionistas estão no centro da discussão da Reforma do Estado, Daniel Bessa defende que é preciso uma gestão específica desta área o que envolve perdas para os novos e atuais pensionistas.

A debater o próximo Orçamento do Estado numa Conferência do Fórum para a Competitividade, o economista defendeu que “se tente fazer uma gestão fechada da Segurança Social”, algo que ” implicará cortes para os atuais pensionistas”.

Aliás, como afirmou, os mais visados nos cortes são “os atuais [pensionistas] em especial os da Caixa Geral de Aposentações”, mas sem deixar de fora os restantes reformados já que “é incontornável um corte de pensões com ação retroativa”.

Ainda neste tema da Segurança Social, Daniel Bessa aproveitou para lembrar que este setor não é sustentável a longo prazo e que seria fundamental encontrar um “segundo modelo de financiamento da Segurança Social através da fiscalidade indireta” para que o peso sobre os pensionistas pudesse ser menor.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Daniel Bessa: “É incontornável um corte de pensões com ação retroativa”