davos

Davos: EUA aberto a negócios em todo o mundo e nega protecionismo

Steven Mmunchin. D.R.
Steven Mmunchin. D.R.

O secretário do Tesouro dos EUA disse também que os mercados "gostaram muito" da reforma fiscal recentemente aprovada nos Estados Unidos.

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mmunchin, disse esta quarta-feira em Davos que o país está “aberto a todos os negócios” e rejeitou que a administração norte-americana defenda o protecionismo.

Numa conferência de imprensa no Fórum Económico e Mundial em Davos, na Suíça, Mnuchin, acompanhado por Wilbur Ross, secretário do Comércio, negou que a “agenda política” do presidente Donald Trump “América Primeiro” é “contraditória” com o desejo de Washington em estabelecer acordos comerciais em todo o mundo.

O objetivo da administração Trump é precisamente estabelecer acordos bilaterais, afirmou.

No mesmo contexto, Mnuchin explicou também que o chefe de Estado protege os interesses dos trabalhadores e consumidores norte-americanos, “tal como se espera de um líder”.

Sobre a cotação da moeda norte-americana, Mnuchin indicou que o dólar “é um dos mercados com mais liquidez do mundo” acrescentando que o “que acontecer a curto prazo não é preocupante”.

Na sua opinião, a debilidade do dólar é boa para o comércio e, a longo prazo, o fortalecimento da divisa vai transmitir a força da economia.

O secretário do Tesouro disse também que os mercados “gostaram muito” da reforma fiscal recentemente aprovada nos Estados Unidos, o que já permitiu que várias empresas pudessem transferir para o país milhões de dólares, como foi o caso da Apple.

“Não podemos estar mais satisfeitos” porque, adiantou, “a resposta das empresas dos Estados Unidos foi melhor do que era esperado”.

Sobre as relações com a República Popular da China e as possíveis represálias que possam vir a ser adotadas por causa da subida das tarifas, Mnuchin indicou que cada vez que se toma uma decisão, “a outra parte pode reagir”.

O secretário do Tesouro disse também que não acredita que Pequim venha a reduzir a compra da dívida norte-americana, não reconhecendo a existência de “uma borbulha nos ativos dos Estados Unidos”.

“Nem sequer os especialistas de Davos podem prever o comportamento dos mercados”, respondeu acrescentando que, em relação ao “resto do mundo” pode afirmar-se que os Estados Unidos são um país muito atrativo para os investidores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
David Cameron, no Forum Económico Mundial 2020, em Davos. DR.

Davos. Os negócios, a política, o ambiente e os “do contra”

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

Davos: EUA aberto a negócios em todo o mundo e nega protecionismo