Crise na Turquia

DBRS prevê impacto negativo da crise da lira turca em bancos europeus

A agência de notação financeira prevê quebra nos lucros e desvalorização dos ativos dos bancos europeus que operam na Turquia.

A agência de notação financeira DBRS alertou esta terça-feira para o impacto negativo da crise da lira turca nos bancos europeus que operam na Turquia, prevendo quebra nos lucros e desvalorização dos ativos.

Em comunicado, a agência assinala que existem vários bancos europeus que operam na Turquia que estão “expostos” à crise da lira turca, entre os quais BBVA, UniCredit, BNP Paribas, ING e HSBC.

“A DBRS prevê um impacto negativo nos lucros e uma desvalorização dos ativos em alguns destes bancos”, indica.

Aquela agência de notação financeira precisa que em causa está “uma diminuição nas receitas das subsidiárias locais”, que afeta também os ativos em portefólios destes bancos, bem como os seus câmbios.

Acresce que, segundo a DBRS, “é possível que estes cinco bancos europeus tenham de fornecer financiamento às suas subsidiárias turcas”, caso estas não consigam cumprir os seus compromissos devido à desvalorização daquela moeda perante outras.

Ainda assim, esta entidade considera que o impacto pode ser “gerível, tendo em vista os modelos e as diferentes estratégias de negócios dos bancos em vigor para os mercados emergentes”.

A DBRS adianta que irá continuar a acompanhar a evolução da lira turca e a forma como afeta outros países emergentes nos quais os bancos europeus estão presentes, bem como as medidas postas em prática pelo Governo turco para minimizar a crise desta moeda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

DBRS prevê impacto negativo da crise da lira turca em bancos europeus