Rating

Dívida. DBRS sobe perspetiva do rating de Portugal para positiva

Elisa Ferreira, Mário Centeno e Carlos Costa. Fotografia: JOÃO RELVAS/LUSA
Elisa Ferreira, Mário Centeno e Carlos Costa. Fotografia: JOÃO RELVAS/LUSA

Portugal com o mesmo rating da Colômbia. "Juros mais baixos são boa notícia para famílias e empresas, que podem assim investir", diz Centeno.

A perspetiva da dívida pública portuguesa melhorou de estável para positiva, anunciou esta sexta-feira a agência de notação financeira (rating) DBRS.

A empresa canadiana manteve a dívida no patamar BBB (dois níveis acima de lixo, o anterior é BBB baixo), mas com a subida do outlook para “positivo” significa que a República Portuguesa fica mais perto de subir de patamar, para BBB alto. Ou seja, o risco do crédito é menor, quanto mais alta for esta nota.

Isso, a acontecer, será mais tarde, neste ano. A próxima avaliação da DBRS está marcada para 4 de outubro, dois dias antes das eleições legislativas.

A última promoção feita pela DBRS à dívida portuguesa aconteceu a 20 de abril do ano passado, quando subiu o rating de BBB baixo para o atual BBB. Mais tarde, a 12 de outubro, haveria de avaliar novamente o país, reafirmando essa nota BBB.

Portugal mantém assim, para já, um rating igual ao da Colômbia, de acordo com esta agência. Logo acima, à frente de Portugal (com BBB alto) surgem Itália e México.

Imediatamente abaixo de Portugal surgem Uruguai e Chipre, segundo informações da própria agência.

Recorde-se que a DBRS foi a única agência de rating que, durante a crise, manteve a qualidade da dívida de Portugal acima de “lixo” ou ativo especulativo, portanto elegível para os apoios do BCE que foram cruciais durante esses anos mais difíceis.

Os motivos

A DBRS decidiu melhorar a perspetiva para positiva porque o crescimento económico tem condições para continuar a um ritmo superior ao da média europeia.

A agência repara também que o país conseguiu reequilibrar as contas externas e reduzir muito os volumes de crédito em incumprimento (malparado e outros, os chamados NPL).

A redução dos NPL ajuda a mitigar os problemas que ainda toldam a atividade bancária sedeada em Portugal, pois ajudam a manter a estabilidade financeira do país, diz a empresa.

Nota positiva também para a redução do défice público para 0,5% em 2018, um nível já muito próximo do equilíbrio, 0% do produto interno bruto (PIB), e para a redução do rácio da dívida, embora esta ainda esteja em níveis demasiado elevados, acima dos 120% do PIB.

A DBRS considera que o país deverá continuar a baixar o fardo da dívida ao longo dos próximos anos, em todo o caso.

Centeno feliz

Como seria de esperar, o ministro das Finanças reagiu com agrado a mais este sinal das agências de rating, isto três semanas depois de a Standard & Poor’s (S&P) ter subido o rating português em mais um nível, de BBB- para BBB — a melhor classificação dos últimos oito anos, segundo a agência norte-americana.

Numa nota enviada às redações, o gabinete de Mário Centeno diz que a perspetiva positiva atribuída à notação da dívida pública portuguesa “mantém o ciclo de valorização da dívida da República Portuguesa iniciado em setembro de 2017 por parte das quatro principais agências de rating a nível global” e “traduz a confiança na evolução que se tem verificado tanto na economia como nas finanças públicas portuguesas”.

As Finanças relembram que “a taxa de juro das obrigações portuguesas a 10 anos no mercado secundário tem estado ao longo da última semana sempre abaixo de 1,3%, um valor sem paralelo histórico, e o diferencial face a Espanha tem também vindo a reduzir-se ao longo de 2019″.

Mário Centeno diz, comentou ele próprio, que “a consolidação do equilíbrio das finanças públicas portuguesas tem permitido a redução sustentada dos custos de financiamento do Estado”. “Só em 2018, face a 2015, significou uma poupança em juros superior a 1.250 milhões de euros”.

“Juros mais baixos são uma boa notícia para as famílias e as empresas, que podem assim investir a custos mais reduzidos. Não estamos, portanto, a falar de um indicador abstrato, mas de uma orientação política com impacto concreto na vida das pessoas”, assinala Centeno.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
VALORES Arrábida Shopping[192606]

Valores. Empresa de comércio de ouro quer ter 230 lojas em 2021

Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA / EU COUNCIL HANDOUT  HANDOUT)

Centeno quer acordo europeu antes do verão

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

1316 mortos e 30 623 casos de covid-19 em Portugal

Dívida. DBRS sobe perspetiva do rating de Portugal para positiva