Eleições legislativas 2019

Debate Costa/Rio. PSD propõe “corte brutal de asfixiamento no SNS”, acusa Costa

Lisboa, 20/02/2018 - O Primeiro-Ministro António Costa, recebeu esta manhã em audiência o Presidente do PSD, Rui Rio, na sua residência oficial em São Bento.

(Filipe Amorim / Global Imagens)
Lisboa, 20/02/2018 - O Primeiro-Ministro António Costa, recebeu esta manhã em audiência o Presidente do PSD, Rui Rio, na sua residência oficial em São Bento. (Filipe Amorim / Global Imagens)

Os líderes dos PSD e do PS confrontaram-se em direto. Dia 23 haverá segundo "round", desta vez promovido pela TSF Renascença e Antena 1.

Num debate transmitido em directo pelos tres canais televisivos e em que Rui Rio se mostrou mais preparado e a enfrentar o primeiro-ministro, houve frases marcantes dos dois lideres partidarios. Veja quais.

Rui Rio:

“Tivemos uma conjuntura altamente favorável mas não serviu para tratar do futuro”

“O Orçamento continua a ter um défice estrutural. Melhorou o nominal mas não o estrutural.”

“Temos uma degradação enorme dos serviços públicos.”

António Costa

“Não andamos ao sabor da conjuntura”

“Pela primeira vez neste século conseguimos crescer acima da média europeia”.

“Reduzimos para metade o desemprego.”

“Este crescimento foi potenciado pela estratégia de reposição de rendimentos e de direitos.”

“O nosso objetivo é que a dívida fique abaixo dos 100% do PIB no final da legislatura”

Rui Rio

“Portugal é dos países que menos cresce na UE.”

“Aqueles com quem temos a comparar crescem todos mais do que nós.”

“Emigraram 330 mil pessoas de 2016 a 2019. É a cidade do Porto e de Viana dos Castelo juntas.”

“São números do Observatório da Emigração.”

António Costa

“Os números oficiais que conheço, até 2017, é que o saldo migratório é positivo.”

Rui Rio

“Em função da discussão pública – que ainda está a decorrer – é que se vê se o [novo aeroporto] do Montijo é viável ou não.”

“Não podemos passar por cima o Estudo de Impacte Ambiental e da discussão pública.”

“Ninguém está a propor um TGV.”

António Costa

“Muito preocupante é a inconsistência do PSD face a questões fundamentais [o novo aeroporto para Lisboa].”

“É urgente recuperar o atraso nas nossas carências aeroportuárias.”

“O Estudo de Impacto Ambiente [no Montijo] não põe em causa esta opção [o Montijo].”

“O PSD põe em causa a opção do Governo anterior [de Passos Coelho] e até propõe abrir uma a negociação do contrato de concessão que custaria ao país milhares de milhões de euros.”

Rui Rio

“Governo aumentou impostos indiretos 1,2 mil milhões de euros.”

“A receita fiscal cresceu muito mais do que o produto [interno bruto]. As contas certas derivam de um aumento de carga fiscal.”

“Estamos a importar mais do que a exportar. E isso é o reflexo de uma política económica.”

“Em 2023 teremos uma margem orçamental de cerca de 15 mil milhões de euros. Desses 15 mil milhões, 25% serão para aumentar impostos e 25% para aumentar o investimento.”

“O investimento público foi mais baixo nestes quatro anos do que nos quatro anos do Governo anterior [de Passos Coelho].”

António Costa

“A estabilidade da Segurança Social aumentou 22 anos.”

“Propomos aumentar as deduções por filho no IRS.”

“Na anterior legislatura houve um enorme aumento de impostos. Nesta legislatura houve uma justa redução dos impostos.”

“O que o PSD propõe é um choque fiscal que acaba sempre num enorme aumento de impostos.”

Rui Rio

“Ao baixarmos o IRC estamos a induzir que as empresas se capitalizem. Isto é apostar no futuro.”

António Costa

“O investimento privado das empresas bateu todos os recordes nestes quatro anos.”

“A UE tem um estudo que diz que Portugal tem o segundo regime fiscal mais atrativo para as empresas.”

“O investimento público vindo do orçamento aumentou 45% nestes quatros.”

“O que fez aumentar a carga fiscal foi o funcionamento da economia – e bem.”

“No conceito de carga fiscal estão os impostos mas também as receitas da Segurança Social.”

SNS: “Ao longo desta legislatura repusemos tudo o que tinha sido cortado.”

“Assumo sobretudo a responsabilidade de ter melhorado o SNS.”

“Quando se diz que o SNS está hoje pior do que há quatro anos, lamento, não é verdade.”

Rui Rio

“Eu não vou exagerar e dizer que o SNS quando este Governo começou estava fantástico e agora está caótico. Não é assim.”

“Há uma data de medicamentos esgotados.”

“A dívida a fornecedores aumentou.”

“Há por ali [no SNS] muita falta de gestão. Há muita ineficiência e é por aí que se tem de começar.”

“O investimento executado [no SNS] foi menor nestes quatro anos do que nos quatro anos anteriores.”

“O PS cedeu ao PCP e ao Bloco de Esquerda e diz ‘PPP nem pensar’. Mas ‘PPP nem pensar’ porquê?”

“É preciso fazer uma fiscalização do Estado [às PPP] muito bem feita.”

“Isto nem é de esquerda nem de direita. Isto é em benefício da população. As pessoas quando entram num hospital não sabem se é privado ou público. Querem é ser servidos.”

António Costa

“O conjunto da despesa no SNS é 1600 milhões superior, porque temos mais profissões e mais produção.”

“Temos de inovar na gestão. Na próxima legislatura vamos universalizar as Unidades de Saúde Familiar.”

“O que a Lei de Bases prevê é que o SNS é público, universal e tendencialmente gratuito. E diz que a missão do Estado não é promover o setor privado para concorrer com o público mas sim promover um bom SNS.”

“Limitação [proposta pelo PSD] nos consumos intermédios do Estado significa um corte brutal de asfixiamento no SNS”

Rui Rio

“Com o PS aumenta sempre brutalmente a despesa pública.”

Não podemos ter a despesa do Estado a subir, a subir, a subir, a subir, e os impostos atrás, a subir, a subir. Não pode. Há um momento em que se tem dizer basta. Parou! Portugal precisa deste arrojo. Temos de baixar o peso do Estado no Produto Interno Bruto.”

António Costa

“Não posso discutir com Rui Rio nesta base porque é uma questão de fé.”

“Rui Rio diz-nos assim: vamos fazer uma brutal redução dos impostos, vamos melhorar extraordinariamente os serviços públicos e ao mesmo tempo não vamos permitir que a despesa cresça. Portanto, tudo se resolve numa fé na qualidade da gestão.”

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

Abhijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer vencem Nobel da Economia

A grande eficácia das pequenas coisas

Outros conteúdos GMG
Debate Costa/Rio. PSD propõe “corte brutal de asfixiamento no SNS”, acusa Costa