Pacto de Estabilidade

Europa analisa suspensão de fundos a Portugal antes do OE

Jyrki Katainen e Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS/François Lenoir
Jyrki Katainen e Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS/François Lenoir

Se tudo correr pelo pior, Portugal pode ver metade dos fundos europeus suspensos até que respeite a redução prevista do défice.

Portugal e Espanha escaparam por um triz a multas no âmbito do Pacto de Estabilidade por terem violado as regras do défice até 2015, mas as instituições europeias (e em especial a Comissão) ainda não deixaram cair a possibilidade de congelar totalidade ou parte dos fundos europeus (estruturais e de investimento) previstos para os países. A segunda parte do debate das sanções arranca na próxima segunda-feira, 3 de outubro, a escassos dias da apresentação da proposta de Orçamento do Estado de 2017 (OE 2017).

De acordo com uma nota do Parlamento Europeu (PE), as conversações entre a assembleia e a Comissão Europeia “sobre uma possível suspensão dos fundos estruturais a Portugal e Espanha no quadro do procedimento relativo aos défices excessivos têm início no dia 3 de outubro, às 18h00, em Estrasburgo [17h00 em Portugal]”.

Para tal, “o Parlamento Europeu convidou a Comissão para uma audição nas comissões parlamentares do Desenvolvimento Regional (REGI) e dos Assuntos Económicos (ECON), no âmbito do diálogo estruturado previsto nas regras europeias relativas aos fundos estruturais”. As comissões parlamentares da Agricultura, do Orçamento, do Emprego e das Pescas estarão também representadas.

Nestes trabalhos, que devem ter a duração de duas horas os eurodeputados farão perguntas aos altos representantes da Comissão que vão defender ou não a aplicação deste tipo de sanção a Portugal e Espanha. Segundo fonte do PE, “a Comissão Europeia deverá ser representada pelo vice-presidente responsável pelo Crescimento e Investimento, Jyrki Katainen, e pela comissária da Política Regional, Corina Crețu (cabe à Comissão escolher os comissários que estarão presentes)”.

Jyrki Katainen, que é líder do Kokoomus, o maior partido da direita conservadora da Finlândia, já disse, de forma lacónica, que Portugal e Espanha “podem evitar qualquer suspensão dos compromissos quando fizerem o que os governos prometeram fazer”.

“Após a audição, os presidentes, vice-presidentes e coordenadores das comissões parlamentares do Desenvolvimento Regional e dos Assuntos Económicos vão reunir-se à porta fechada, a partir das 20h00, para decidir se será convocada uma nova reunião com a Comissão”, havendo depois uma decisão “sobre eventuais próximas etapas na reunião de 6 de outubro, em Estrasburgo”, adianta o PE.

O que já aconteceu na novela das sanções

Depois de muitas declarações contraditórias (umas a favor, outras contra, fora e dentro das instituições) e de avanços e recuos no processo contra os dois países, a Comissão Europeia acabou por propor a 27 de julho a anulação das multas a Portugal e Espanha por não cumprirem o pacto europeu até 2015, designadamente o limite de 3% do PIB no défice público. No caso de Portugal, até flexibilizou a meta do défice deste ano de 2,2% para 2,5%.

A 8 de agosto, o Conselho Europeu concordou com a proposta de não aplicar multas, dilatando em um ano os prazos para a correção dos défices excessivos. Mas, de acordo com as regras, a Comissão avançou com a segunda parte do processo: a dos fundos.

Relativamente às multas, Bruxelas argumentou na altura que seria “legalmente” possível punir os países, mas nada aconselhável do ponto de vista “político”, “económico” e “social”. O cancelamento terá sido uma decisão de última hora pois, na véspera da decisão do colégio de comissários, ainda circulava a ideia de que podia haver uma multa mínima de 0,01% a 0,05% do PIB sobre os países por terem violado o Pacto de Estabilidade. A multa normal poderia ir até 0,2%.

“Sancionar os países não iria corrigir o passado e seria contraproducente numa altura em que os povos têm dúvidas sobre a Europa”, justificou também na altura o comissário da Economia, Pierre Moscovici.

A segunda parte do filme

Agora, o filme das sanções entra na sua segunda parte. Segundo diz o PE, o regulamento europeu “que estabelece disposições comuns para os Fundos Estruturais e de Investimento (FEEI) inclui medidas destinadas a ligar a eficácia destes fundos a uma boa governação económica”.

De acordo com o artigo 23.º, “caso o Conselho decida que um Estado-Membro não tomou as medidas necessárias para corrigir o seu défice excessivo, a Comissão apresenta uma proposta ao Conselho para suspender a totalidade ou parte das autorizações ou pagamentos relativos aos programas desse país”.

Embora muitos (sobretudo os governos do norte da Europa, como Alemanha, Holanda e Finlândia, que defendem uma aplicação mais rígida do Pacto de Estabilidade) ainda queiram punir os países, mesmo que ao de leve, para sinalizar que o Pacto está vivo e é credível, o PE relembra que, segundo as regras, “qualquer suspensão deve ter em conta as circunstâncias económicas e sociais dos países em causa”.

“O nível máximo de uma eventual suspensão das autorizações no âmbito dos FEEI é de 50 % das autorizações relativas ao próximo exercício, ou 0,5 % do PIB nominal, seja qual for o nível mais baixo”, mas “o âmbito e o nível da suspensão (…) devem ser proporcionados, respeitar a igualdade de tratamento entre Estados-Membros e ter em conta a situação económica e social do Estado-Membro em causa, nomeadamente a sua taxa de desemprego relativamente à média europeia e o impacto da suspensão na sua economia”.

“O impacto das suspensões nos programas de importância crítica para combater as condições sociais e económicas adversas deve ser um fator a ter em conta”, dizem as regras europeias, o que abona a favor de Espanha e, sobretudo, Portugal, que está a crescer muito menos depois da forte recessão dos anos do ajustamento da troika.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
GSFJ2392

“A sustentabilidade dos media depende de todos nós”

Alexandre Fonseca - CEO da Altice Portugal

Fotografia: Gerardo Santos

Alexandre Fonseca sobre 5G: “Portugal hoje posiciona-se na cauda da Europa”

Sebastião Lancastre, Easypay

Easypay. “Para sermos relevantes para os clientes temos de ouvi-los”

Outros conteúdos GMG
Europa analisa suspensão de fundos a Portugal antes do OE