imóveis

Ilusão. Renda e prestação iguais podem esconder um mau negócio

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

“A ilusão da hipoteca” valeu um prémio aos autores que mostram que comprar casa apenas porque renda é semelhante à prestação pode ser mau negócio.

Joana e Luís foram duas vítimas da “ilusão da hipoteca”. Porquê? Queriam arrendar uma casa e acabaram a comprá-la, porque foram confrontados com uma daquelas situações em que o valor da renda era semelhante ao da prestação mensal de um empréstimo. Não são caso único. São muitas as pessoas que se deixam apanhar por este dilema, como mostra o trabalho de investigação “A ilusão da hipoteca” dos economistas Nelson Camanho e Daniel Fernandes, que recentemente foi distinguido com um prémio internacional da Association for Consumer Research.

A compra de uma casa é uma das decisões financeiras mais importantes para a maioria das pessoas. A recente evolução do mercado imobiliário em Portugal, com os preços a registarem valores próximos dos observados antes da crise, deu novo fôlego e peso a esta decisão até porque a compra é, por norma, a primeira opção dos portugueses.

“Os portugueses – e de um modo geral os europeus do Sul – têm este gosto quase natural por serem proprietários da casa”, afirma Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). A maior parte pensa, por isso, primeiro em comprar e a parte que se inclina para o arrendamento acaba por arrepiar caminho se, perante uma casa com características semelhantes, lhe pedirem pela renda o mesmo que lhe pedem de prestação mensal por um empréstimo.

E qual é o problema desta troca? Desde logo a aparente facilidade com que a fazem usando duas variáveis que não são diretamente comparáveis. Dito de outra forma, as várias experiências realizadas pelos dois professores da Católica Lisbon School of Business and Economics, mostram que muitas pessoas se deixam levar pela chamada “ilusão da hipoteca” porque se focam no valor mensal e arriscam tomar decisões enviesadas.

“Tomar uma decisão por estes motivos é um erro. Porque se a casa for um mau negócio, continuará a sê-lo mesmo que a prestação do empréstimo sugira que se vai pagar o mesmo”, precisa Nelson Camanho. É que a prestação inclui os juros e o prazo do empréstimo e quando este é suficiente longo para fazer a prestação mensal ser competitiva, pode esconder um potencial mau negócio.

A forma como o preço das rendas tem aumentado em Portugal, sobretudo nas principais cidades, acaba por dar mais um impulso a esta “ilusão da hipoteca”. Além dos preços, a oferta é baixa.

De acordo com os dados da APEMIP, o valor médio dos arrendamentos disparou em Lisboa dos 1134 euros em 2013 para os 1774 euros em 2017 Em Sintra os valores duplicaram (de 635 para 1250 euros) e mesmo em zonas menos na ‘moda’, como a Amadora, se regista uma subida dos preços médios dos 479 para os 650 euros, neste período. o Porto, a evolução é idêntica. E se em 2015, o salário médio de um trabalhador português chegava para pagar os 901 euros de renda praticados nesta cidade, agora fica bem longe disso porque é necessário estar disposto a (ou poder) pagar 1465 euros para conseguir viver numa casa arrendada.

Para quem compra, os preços têm igualmente registado uma forte e rápida evolução, mas também é verdade que há agora uma maior facilidade em conseguir um empréstimo do que durante o período da crise – em que os bancos travaram a fundo na concessão de empréstimos. A informação recolhida pelo Confidencia Imobiliário mostra que na primeira metade deste ano foram transacionados 72.064 imóveis (ao longo de 2016 foram 127.106) e que o índice do preço de vendas de casas no 2º trimestre registou uma variação homóloga de 8,9%.

Ricardo Guimarães, diretor do Ci refere não haver dúvidas de que as famílias portuguesas voltaram a comprar casa, incentivadas pela recuperação do consumo e pela maior concessão de crédito e nota que “a compra de casa, em alternativa ao arrendamento, é também uma preferência cultural dos portugueses”. Mas não têm certezas de que a escolha por uma ou por outra solução se baseie apenas no custo mensal associado.

Mas o resultados da investigação mostram que os potenciais compradores tendem a valorizar a comparação dos valores mensais. Luís Lima concorda, acentuando que é necessário que o valor médio das rendas seja cerca de 30% inferior ao da mensalidade de um empréstimo para ‘ganhar’ à compra.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
ice-cream-cone-1274894_1920

Há pecados de verão que apetecem mesmo nos dias de chuva

ice-cream-cone-1274894_1920

Há pecados de verão que apetecem mesmo nos dias de chuva

João Galamba, Secretário de Estado da Energia 
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

João Galamba: “Há diferença entre encontrar rendas excessivas e cortá-las”

Outros conteúdos GMG
Ilusão. Renda e prestação iguais podem esconder um mau negócio