IRS 2019

Declaração automática de IRS: saiba se tem direito

Fotografia: José Mota
Fotografia: José Mota

O decreto regulamentar que alarga a declaração automática do IRS aos contribuintes com aplicações em PPR foi hoje publicado em Diário da República, esperando-se que a nova medida abranja mais cerca de 250 mil pessoas.

À semelhança do que sucedeu nestes dois últimos anos, o Ministério das Finanças publicou o decreto regulamentar que determina o universo de contribuintes que pode beneficiar da entrega do IRS automático.

A novidade, este ano, é o seu alargamento às pessoas com Planos Poupança Reforma (PPR) e que até agora estavam excluídas.

Em resposta à Lusa, fonte oficial do Ministério das Finanças precisou que, tendo por referência o ano de 2017, em que “cerca de 250 mil contribuintes declararam PPR em sede de IRS”, é este “o número potencial de novos abrangidos”.

A tipologia de contribuintes que pode beneficiar do IRS automático tem sido alargada todos os anos, mas há categorias de rendimentos e de benefícios fiscais que ainda estão excluídas.

Este ano, o automatismo está disponível para quem em 2018 teve apenas rendimentos de trabalho dependentes ou de pensões (excluindo pensões de alimentos).

É ainda necessário ter sido residente fiscal em Portugal durante todo o ano a que a declaração de imposto diz respeito, não ter pedido para aderir ao regime dos Residentes Não Habituais e dispor de rendimentos obtidos somente em Portugal.

Outra das condições é não ter dívidas ao Fisco nem à Segurança Social e não ter direito a benefícios fiscais além dos que são proporcionados pelos PPR e mecenato (donativos).

Os contribuintes com descendentes podem ser abrangidos pelo IRS automático, mas os que reportem ascendentes ficam de fora, tal como os que tenham direito a deduções pelo Adicional ao Imposto Municipal sobre os Imóveis (AIMI), por deficiência e por dupla tributação internacional.

A declaração automática do IRS é preenchida pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) com base na informação de que dispõe na sua base de dados e é considerada provisória até o contribuinte a verificar, validar e submeter.

Caso não o faça, nem a recuse (o que pode fazer se, por exemplo, verificar que os dados não estão corretos), ela transformar-se-á em definitiva no final do prazo e será considerada entregue.

Este ano, a entrega da declaração anual do IRS vai decorrer entre 01 de abril e 30 de junho, sendo que as pessoas que entreguem mais cedo candidatam-se a receber o reembolso também mais cedo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Declaração automática de IRS: saiba se tem direito