IRS 2019

Declaração automática de IRS: saiba se tem direito

Fotografia: José Mota
Fotografia: José Mota

O decreto regulamentar que alarga a declaração automática do IRS aos contribuintes com aplicações em PPR foi hoje publicado em Diário da República, esperando-se que a nova medida abranja mais cerca de 250 mil pessoas.

À semelhança do que sucedeu nestes dois últimos anos, o Ministério das Finanças publicou o decreto regulamentar que determina o universo de contribuintes que pode beneficiar da entrega do IRS automático.

A novidade, este ano, é o seu alargamento às pessoas com Planos Poupança Reforma (PPR) e que até agora estavam excluídas.

Em resposta à Lusa, fonte oficial do Ministério das Finanças precisou que, tendo por referência o ano de 2017, em que “cerca de 250 mil contribuintes declararam PPR em sede de IRS”, é este “o número potencial de novos abrangidos”.

A tipologia de contribuintes que pode beneficiar do IRS automático tem sido alargada todos os anos, mas há categorias de rendimentos e de benefícios fiscais que ainda estão excluídas.

Este ano, o automatismo está disponível para quem em 2018 teve apenas rendimentos de trabalho dependentes ou de pensões (excluindo pensões de alimentos).

É ainda necessário ter sido residente fiscal em Portugal durante todo o ano a que a declaração de imposto diz respeito, não ter pedido para aderir ao regime dos Residentes Não Habituais e dispor de rendimentos obtidos somente em Portugal.

Outra das condições é não ter dívidas ao Fisco nem à Segurança Social e não ter direito a benefícios fiscais além dos que são proporcionados pelos PPR e mecenato (donativos).

Os contribuintes com descendentes podem ser abrangidos pelo IRS automático, mas os que reportem ascendentes ficam de fora, tal como os que tenham direito a deduções pelo Adicional ao Imposto Municipal sobre os Imóveis (AIMI), por deficiência e por dupla tributação internacional.

A declaração automática do IRS é preenchida pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) com base na informação de que dispõe na sua base de dados e é considerada provisória até o contribuinte a verificar, validar e submeter.

Caso não o faça, nem a recuse (o que pode fazer se, por exemplo, verificar que os dados não estão corretos), ela transformar-se-á em definitiva no final do prazo e será considerada entregue.

Este ano, a entrega da declaração anual do IRS vai decorrer entre 01 de abril e 30 de junho, sendo que as pessoas que entreguem mais cedo candidatam-se a receber o reembolso também mais cedo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

GSFJ0097

Novo Banco com prejuízos de mais de 1.058 milhões de euros

O ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (E), ladeado pelo presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Filipe Neto Brandão (D) na audição na Comissão de Orçamento e Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Orçamento do Estado quase pronto para seguir para Belém

Declaração automática de IRS: saiba se tem direito