Impostos

Deco quer mais alimentos saudáveis com IVA reduzido

Alface em Marte | ISQ

Para a Deco, legumes cozidos, cogumelos laminados, cremes vegetais ou especiarias devem ter taxa reduzida de 6%.

A Deco vai pedir ao Governo e aos grupos parlamentares que aplique a taxa de 6% de IVA a alimentos como leguminosas em conserva, azeitonas, tremoços, polpa de tomate, chá, café, flocos de aveia, sopas e água engarrafada.

Na edição de fevereiro da revista ‘Teste Saúde’, a Deco defende “uma tributação justa” para uma alimentação equilibrada e saudável, enumerando uma lista de alimentos que devem pagar a taxa reduzida, entre os quais também os legumes cozidos, cogumelos laminados, cremes vegetais ou as especiarias.

A associação de defesa dos consumidores diz que “são vários os exemplos” de alimentos saudáveis que são penalizados com a taxa máxima de Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), de 23%.

“Daremos conta desta situação inaceitável e discriminatória ao Governo e aos grupos parlamentares”, afirma a Deco naquela publicação, especificando “exigir” o acesso facilitado a um conjunto de produtos através da redução da carga fiscal aplicada.

A associação conclui: “Mas não vamos ficar por aqui. Não descansaremos enquanto o alívio fiscal que reivindicamos não se refletir no preço final destes produtos”.

Atualmente os alimentos mais processados já pagam mais IVA do que os alimentos mais saudáveis, mas a Deco quer alargar a lista de bens com a taxa reduzida.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Deco quer mais alimentos saudáveis com IVA reduzido