execução orçamental

Execução Orçamental. Défice público recua 453 milhões até maio

O défice público chegou a maio nos 395 milhões de euros, refletindo um desagravamento de 453 milhões de euros face aos primeiros cinco meses de 2015.

A execução orçamental até maio, divulgada esta segunda-feira pela Direção-Geral do Orçamento mostra o andamento das contas públicas em contabilidade pública (ótica de caixa) com os dados hoje revelados a dar conta do maior recuo no desequilíbrio entre despesas e receitas observado desde o início do ano.

“A execução orçamental de maio registou um défice de 395 milhões de euros, o que representa 7,2% do previsto para o ano (em 2015, representava 18,5% do défice anual)”, refere a habitual nota emitida pelo Ministério das Finanças.

O Ministério liderado por Mário Centeno adianta ainda que esta melhoria do défice resulta do crescimento de 1,6% da receita (fiscal e contributiva) e da estabilização da despesa, que chegou a maio a registar uma subida homóloga de 0,1%.

Este acréscimo do lado da despesa é atribuído ao aumento dos juros pagos “na sequência de uma emissão de obrigações realizada no início de 2015, enquanto a despesa primária caiu 232 milhões de euros. Foi no entanto a despesa com a aquisição de bens e serviços que proporcionou esta travagem nos gastos (a registar uma quebra homóloga de 2,9%), já que as despesas com salários avançaram 1,9%. Recorde-se que em maio os funcionários públicos já tinham recuperado 75% do corte salarial que lhes estava a ser aplicado.

Horas antes deste comunicado ter sido publicado, o primeiro-ministro António Costa já tinha feito referências ao controlo da despesa, acentuando que estava a crescer abaixo do orçamentado.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Execução Orçamental. Défice público recua 453 milhões até maio