execução orçamental

Execução Orçamental. Défice público recua 453 milhões até maio

O défice público chegou a maio nos 395 milhões de euros, refletindo um desagravamento de 453 milhões de euros face aos primeiros cinco meses de 2015.

A execução orçamental até maio, divulgada esta segunda-feira pela Direção-Geral do Orçamento mostra o andamento das contas públicas em contabilidade pública (ótica de caixa) com os dados hoje revelados a dar conta do maior recuo no desequilíbrio entre despesas e receitas observado desde o início do ano.

“A execução orçamental de maio registou um défice de 395 milhões de euros, o que representa 7,2% do previsto para o ano (em 2015, representava 18,5% do défice anual)”, refere a habitual nota emitida pelo Ministério das Finanças.

O Ministério liderado por Mário Centeno adianta ainda que esta melhoria do défice resulta do crescimento de 1,6% da receita (fiscal e contributiva) e da estabilização da despesa, que chegou a maio a registar uma subida homóloga de 0,1%.

Este acréscimo do lado da despesa é atribuído ao aumento dos juros pagos “na sequência de uma emissão de obrigações realizada no início de 2015, enquanto a despesa primária caiu 232 milhões de euros. Foi no entanto a despesa com a aquisição de bens e serviços que proporcionou esta travagem nos gastos (a registar uma quebra homóloga de 2,9%), já que as despesas com salários avançaram 1,9%. Recorde-se que em maio os funcionários públicos já tinham recuperado 75% do corte salarial que lhes estava a ser aplicado.

Horas antes deste comunicado ter sido publicado, o primeiro-ministro António Costa já tinha feito referências ao controlo da despesa, acentuando que estava a crescer abaixo do orçamentado.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Execução Orçamental. Défice público recua 453 milhões até maio