preço do petróleo

Deloitte: Um terço das petrolíferas está em alto risco de falir

Há 175 petrolíferas, com uma dívida superior a 156 mil milhões de euros, em "alto risco de falência"

Os níveis historicamente baixos dos preços do petróleo poderão atirar cerca de um terço das produtoras da matéria-prima para a falência, conclui um relatório publicado esta terça-feira pela Deloitte.

O estudo da consultora, citado pela Reuters, analisa mais de 500 empresas cotadas do setor petrolífero e de gás natural. Os preços do petróleo, que estão aos níveis mais baixos em cerca de 12 anos, estão a reduzir as margens das empresas e a forçar cortes de custos e despedimentos coletivos, aponta o relatório.

Os preços do petróleo têm registado quedas consecutivas, pressionados pelo excesso de oferta e pela recusa da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em cortar a produção. Este ano, o petróleo chegou a negociar, durante uma semana, abaixo dos 30 dólares. Face a 2014, quando os preços atingiam o pico, a matéria-prima acumula uma desvalorização de cerca de 70%.

Perante este cenário, há 175 empresas, entre as 500 analisadas, que enfrentam “alto risco de falência”. Juntas, estas 175 petrolíferas têm uma dívida superior a 150 mil milhões de dólares (perto de 134 mil milhões de euros) e, com a desvalorização cada vez mais acentuada das suas ações, a capacidade para gerar fluxo de caixa é diminuta.

E se a grande maioria das empresas consegue produzir crude com um custo inferior a 15 dólares por barril, isso poderá não ser suficiente para outras, aponta a Deloitte. Assim, veem-se obrigadas a cortar os orçamentos previstos ou mesmo a liquidar fundos de cobertura para receberem injeções de liquidez imediatas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Trabalhos de descarga de contentores no Porto de Sines, 12 de fevereiro de 2020. TIAGO CANHOTO/LUSA

Exportações com quebra de 17% na primeira metade do ano

Isabel Camarinha, líder da CGTP, fala aos jornalistas após audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, 30 de julho de 2020. (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

CGTP. Governo nega complemento a quem esteve em lay-off sem justificação

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Deloitte: Um terço das petrolíferas está em alto risco de falir