França

Primeiro-ministro francês demite-se. Macron anuncia “nova equipa”

Edouard Philippe, primeiro-ministro francês. (EPA/YOAN VALAT)
Edouard Philippe, primeiro-ministro francês. (EPA/YOAN VALAT)

Primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, demitiu-se e a renúncia do Governo já foi aceite pelo presidente Emmanuel Macron

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, demitiu-se e a renúncia do Governo já foi aceite pelo presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou hoje o Palácio do Eliseu.

O governo que renuncia manter-se-á em funções até à nomeação do novo executivo, uma mudança desejada por Emmanuel Macron, que anunciou uma “nova equipa” para seguir um “novo caminho” político durante a última parte de seu mandato até eleições presidenciais de 2022.

“Eu teria que fazer escolhas para liderar o novo caminho. Esses são novos objetivos de independência, reconstrução, reconciliação e novos métodos a implementar. Haverá uma nova equipa”, disse o presidente Emmanuel Macron em entrevista a jornais regionais diários publicados hoje.

Macron, no entanto, permaneceu evasivo quanto à manutenção de Edouard Philippe, que está no cargo desde sua eleição em 2017, à frente do novo Governo.

“Nos últimos três anos comigo, ele realizou um trabalho notável com governos sucessivos e realizamos reformas importantes e históricas, geralmente em circunstâncias muito difíceis”, afirmou.

Portanto, essa mudança de Governo era esperada após a segunda volta das eleições municipais de 28 de junho, marcada por uma forte abstenção, um revés para o partido presidencial e um impulso dos ecologistas nos centros urbanos.

Edouard Philippe, primeiro-ministro mais popular que Emmanuel Macron, de acordo com as sondagens, chegou da direita e nunca se juntou ao partido República em Marcha, do presidente Macron.

Desde que chegaram ao poder, os dois homens realizaram várias reformas controversas, como a do seguro-desemprego, e enfrentaram várias crises, incluindo a dos coletes amarelos e a crise sanitária ligada à pandemia de covid-19, que fez Macron assumir que tinha de se “reinventar”.

O novo governo procurará, portanto, alcançar essa reinvenção política, com as eleições presidenciais de 2022 como pano de fundo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Trabalhos de descarga de contentores no Porto de Sines, 12 de fevereiro de 2020. TIAGO CANHOTO/LUSA

Exportações com quebra de 17% na primeira metade do ano

Isabel Camarinha, líder da CGTP, fala aos jornalistas após audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, 30 de julho de 2020. (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

CGTP. Governo nega complemento a quem esteve em lay-off sem justificação

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Primeiro-ministro francês demite-se. Macron anuncia “nova equipa”