Poupança

Depósitos a prazo dão quase 0%. Onde poupar em 2016?

Banca tradicional remunera perto de zero. Taxa mais generosa a um ano é de 1,5%. Solução para aumentar rendimentos passa pelos Certificados do Tesouro

O novo ano trouxe algum alívio no orçamento das famílias: o salário mínimo subiu, os funcionários públicos começam a receber as remunerações cortadas e a sobretaxa do IRS deixa, lentamente, de pesar no rendimento de uma grande fatia da população. Mas apesar desta maior disponibilidade financeira, a banca dificilmente ajudará a esticar as poupanças. Os tradicionais depósitos a prazo e certificados de aforro rendem pouco mais de 0%. O melhor é procurar outras soluções.

“Este será um ano muito pouco risonho para as poupanças, com taxas muito baixas e comissões que anulam os poucos ganhos que possam existir”, antevê António Ribeiro, economista da Deco, depois de comparar prazos, bancos e taxas oferecidas em Portugal.

Se em janeiro de 2015, os bancos começaram por oferecer taxas de 1,2%, no fecho do ano já se observavam juros entre 0% e 0,5%, em depósitos a um ano. Uma tendência que deverá manter-se. “Os maiores bancos, aqueles com que os portugueses se identificam, BCP, BPI, CGD, remuneram a zero ou quase a zero mesmo a doze meses. E, entre as várias instituições, o melhor que encontramos é 1,5%”, diz o economista, referindo-se à taxa oferecida pelo BNI Europa, a um ano, para montantes mínimos de 10 mil euros. E para abrir conta à ordem o mínimo é de 100 mil. “Um valor que poucos dispõem”.

Esta foi a melhor rendibilidade que a Deco encontrou num estudo que envolveu todos os bancos a operar em Portugal. Além desta, a Associação de Defesa dos Consumidores encontrou outras duas taxas acima de 1%, a um ano de prazo. Uma no Privado Atlântico (1,3%) para um montante mínimo de 10 mil euros e outra no Banco Invest para mínimos de dois mil euros, também a um juro de 1,3%.

“São as melhores taxas do mercado” para quem opta por um prazo nem muito longo (vários anos) nem muito curto (alguns meses) – a três meses existem taxas até 2,1% no Best Bank e BNI e a seis meses o máximo é de 1,6% também no BNI.

António Ribeiro não espera mudanças, mas admite que, “se o BCE decidir subir as taxas diretoras, pode dar uma indicação aos bancos para melhorarem as rentabilidades”. A acontecer, “será no fecho de 2016. Ou seja, antes de 2017 não deverá haver alterações nas ofertas dos bancos”.

Os certificados de aforro estão a 0,7% e os depósitos a cinco anos a 0,3%. Quem quer maior rentabilidade deve orientar a poupança para produtos diferentes, defende. “Caso contrário, com juros baixos e comissões elevadas, em quatro ou cinco anos já estão a perder dinheiro”. Qual a alternativa? “Os certificados do Tesouro Poupança Mais, num prazo a cinco anos para que se possa beneficiar da taxa crescente”, refere. E, se o investidor for um pouco mais aventureiro, a Bolsa pode assumir-se como uma forma eficiente para fazer crescer o rendimento. “Não é uma alternativa aos depósitos, por causa do risco. Mas para um investidor com maior conhecimento do mercado e maior disponibilidade, o retorno, a longo prazo, é potencialmente superior”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

“Temos de ser cuidadosos em relação à dívida, no longo prazo ela terá de descer”

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Governo aposta no clima e competências para recuperação – mas sem empréstimos

Depósitos a prazo dão quase 0%. Onde poupar em 2016?