Impostos

Deputado do PS acusa BE e PCP de “traição” após aprovação de diploma

Ascenso Simões. Fotografia: Octávio Passos/Global Imagens
Ascenso Simões. Fotografia: Octávio Passos/Global Imagens

O deputado socialista Ascenso Simões classificou hoje como “uma traição” o voto favorável do PCP e do BE que permitiu a aprovação de um diploma do CDS para a eliminação do adicional ao Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP).

Numa declaração de voto entregue no parlamento após a votação, Ascenso Simões considera que a aprovação do diploma “demonstra, infelizmente, uma traição, por parte do BE e do PCP, aos acordos bilaterais que levaram à constituição do atual Governo” e à aprovação dos três últimos orçamentos do Estado.

Para o deputado do PS, “os votos cruzados do PSD e CDS, de um lado, e do PCP e BE, do outro, transportaram o parlamento para o simbolismo do PEC IV e ao tempo seguinte de chegada da ‘troika'”.

“A fotografia de hoje é muito má de ver”, sustenta o parlamentar socialista, afirmando que “o mais lamentável desta votação de hoje é que ela assume a dupla vertente populista e demagógica dos partidos mais à esquerda da esquerda”.

Ascenso Simões argumenta que, “se em muitas matérias, até em questões como a eutanásia, os votos se cruzam em tempos vários, o que todos acharão normal em democracia, não é aceitável um acordo das direitas com as esquerdas da esquerda que ponha em causa a governação a prazo”.

O deputado aponta em especial o dedo ao Bloco de Esquerda, depois de recordar que o partido liderado por Catarina Martins assumiu a “vontade de ser uma força de governo em 2019”.

“Mas o BE, ao assumir o populismo da descida dos impostos, ao não negar a guerra fratricida que mantém com o PCP para saber quem é mais barulhento na contestação, abdica de qualquer credibilidade essencial à governação futura”, sustenta ainda Ascenso Simões.

O parlamento aprovou hoje na generalidade o projeto do CDS que prevê o fim do adicional ao ISP.

Esta votação não implica a entrada em vigor da lei. Depois da votação na generalidade, segue-se o trabalho na especialidade, na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, antes de voltar da votação final global no plenário da Assembleia da República.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR. Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
Deputado do PS acusa BE e PCP de “traição” após aprovação de diploma