Impostos

Deputado do PS acusa BE e PCP de “traição” após aprovação de diploma

Ascenso Simões. Fotografia: Octávio Passos/Global Imagens
Ascenso Simões. Fotografia: Octávio Passos/Global Imagens

O deputado socialista Ascenso Simões classificou hoje como “uma traição” o voto favorável do PCP e do BE que permitiu a aprovação de um diploma do CDS para a eliminação do adicional ao Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP).

Numa declaração de voto entregue no parlamento após a votação, Ascenso Simões considera que a aprovação do diploma “demonstra, infelizmente, uma traição, por parte do BE e do PCP, aos acordos bilaterais que levaram à constituição do atual Governo” e à aprovação dos três últimos orçamentos do Estado.

Para o deputado do PS, “os votos cruzados do PSD e CDS, de um lado, e do PCP e BE, do outro, transportaram o parlamento para o simbolismo do PEC IV e ao tempo seguinte de chegada da ‘troika'”.

“A fotografia de hoje é muito má de ver”, sustenta o parlamentar socialista, afirmando que “o mais lamentável desta votação de hoje é que ela assume a dupla vertente populista e demagógica dos partidos mais à esquerda da esquerda”.

Ascenso Simões argumenta que, “se em muitas matérias, até em questões como a eutanásia, os votos se cruzam em tempos vários, o que todos acharão normal em democracia, não é aceitável um acordo das direitas com as esquerdas da esquerda que ponha em causa a governação a prazo”.

O deputado aponta em especial o dedo ao Bloco de Esquerda, depois de recordar que o partido liderado por Catarina Martins assumiu a “vontade de ser uma força de governo em 2019”.

“Mas o BE, ao assumir o populismo da descida dos impostos, ao não negar a guerra fratricida que mantém com o PCP para saber quem é mais barulhento na contestação, abdica de qualquer credibilidade essencial à governação futura”, sustenta ainda Ascenso Simões.

O parlamento aprovou hoje na generalidade o projeto do CDS que prevê o fim do adicional ao ISP.

Esta votação não implica a entrada em vigor da lei. Depois da votação na generalidade, segue-se o trabalho na especialidade, na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, antes de voltar da votação final global no plenário da Assembleia da República.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Estado já concedeu quase 20 mil milhões à banca

Isabel dos Santos

Isabel dos Santos nega processo a Presidente angolano

( Pedro Rocha / Global Imagens )

Défice atinge 1,9% até junho. Meta do governo é de 0,7%

Outros conteúdos GMG
Deputado do PS acusa BE e PCP de “traição” após aprovação de diploma