Deputados do CDS que mais criticaram Gaspar não o foram ouvir

Deputado do CDS-PP João Almeida
Deputado do CDS-PP João Almeida

A audição parlamentar ao ministro das Finanças teve um convidado surpresa: Telmo Correia. Coube ao deputado e ex-ministro do Turismo fazer resposta do CDS a Vítor Gaspar, já que o deputado habitual nesta comissão – João Almeida – não esteve presente. “Está em trabalho parlamentar fora do país”, garantiu ao Dinheiro Vivo/Diário de Notícias fonte do grupo parlamentar do CDS.

Na sessão, Telmo Correia
fez de caixa de ressonância da posição oficial do CDS, definida
na semana passada pelo presidente do partido, Paulo Portas, através de
um comunicado.

Telmo Correia replicou a mensagem, garantindo que, da
parte do CDS “temos noção da nossa responsabilidade, não deixaremos de
colaborar positivamente durante este debate e assumiremos as nossas
responsabilidades perante o país”.

Bem mais agressiva foi a
reação de Almeida e de Mesquita Nunes no dia da apresentação do OE/2013,
a 15 de outubro passado. “Não esperem de mim que aceite que este
Orçamento de Estado é, tal como está, inalterável. E terei oportunidade
de o dizer diretamente ao Ministro das Finanças”, escreveu Adolfo
Mesquita Nunes na sua página do Facebook.

João Almeida, deputado da
comissão de Finanças e porta-voz do partido, avisou que “qualquer
orçamento tem margem para ser alterado no Parlamento. Negá-lo é negar o
fundamento do parlamentarismo e do sistema democrático”. Estas reações
surgiram depois de Gaspar ter dito que não haveria qualquer margem para
alterar as linhas gerais do OE/2013.

Mesquita Nunes é um dos suplentes de João Almeida nesta comissão e
deveria ser o substituto natural. O deputado está esta manhã na Comissão
de Ética, a partir das 11h45, mas não passou na Comissão de Orçamento,
que começou às 09h45.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Rui Oliveira / Global Imagens)

Marcas aceleram nas promoções para tirar travão nas vendas

Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens

Resposta à pandemia traz riscos de má gestão e corrupção do dinheiro público

Restauração recuperou volume de negócios

CIP: 61% das empresas ainda não recebeu financiamento

Deputados do CDS que mais criticaram Gaspar não o foram ouvir