Habitação

Desalojados de Monchique vão para alojamento local

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, estima que o investimento para recuperar as 32 habitações afetadas não ultrapassará os dois milhões de euros. (Foto: Reuters)
O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, estima que o investimento para recuperar as 32 habitações afetadas não ultrapassará os dois milhões de euros. (Foto: Reuters)

Foram afetadas 32 habitações nos fogos de Monchique. As despesas de realojamento dos moradores vão ser asseguradas pelo programa "Porta de Entrada".

As pessoas que perderam as casas nos incêndios de Monchique, no Algarve, vão ser provisoriamente realojadas em unidades de alojamento local. As despesas serão asseguradas pelo Governo, através do novo programa “Porta de Entrada”, disse ao Dinheiro Vivo o presidente da Região de Turismo do Algarve.

João Fernandes aplaude a solução. De acordo com o responsável, esta medida irá permitir “fazer o match entre as necessidades de quem ficou desalojado e dos proprietários de alojamento local”.

Além de suportar as despesas com o alojamento imediato às vítimas da catástrofe, o programa prevê a reabilitação ou reconstrução das infraestruturas danificadas e, em caso de necessidade, cobre o valor total do arrendamento de uma habitação, por um prazo máximo de cinco anos, a famílias com baixos rendimentos.

Já na segunda-feira, o ministro do Ambiente estimou à Lusa que o investimento do Estado para recuperar as 32 habitações afetadas pelo incêndio de Monchique, 12 das quais com perdas totais, não ultrapassará os dois milhões de euros.

“Inicia-se agora toda a aplicação de um programa que não existia no ano passado, que é o programa Porta de Entrada, ficando concluído todo o levantamento físico até à próxima quarta-feira”, referiu.

O governante adiantou ainda à agência Lusa que, logo em seguida, “na quinta-feira iniciam-se outros dois tipos de levantamento: o administrativo, todos os papéis relativos à propriedade e aos contratos, bem como as conversas com cada uma das famílias que viram as suas casas afetadas pelo fogo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Desalojados de Monchique vão para alojamento local