Desde o Lehman Brothers que o risco da banca mundial não era tão baixo

Banca está mais segura
Banca está mais segura

O custo para os investidores se protegerem de um possível incumprimento de um banco está no nível mais baixo desde a crise financeira, num sinal de que o sector terá ficado mais seguro desde então.

Os investidores em dívida de bancos tendem a comprar os chamados ‘credit default swaps’, que são seguros contra o possível incumprimento. De acordo com o Financial Times, o preço que estão a pagar por esses CDS da banca está no valor mais baixo desde o colapso do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers, em setembro de 2008.

“Voltámos a níveis pré-crise. Os níveis de capital são mais elevados agora do que antes, o ambiente económico melhorou consideravelmente, a regulação que existe hoje não havia há 5 ou 10 anos, ou seja tudo tem ajudado ao aumento da confiança na capacidade da banca em desalavancar”, afirmou Brian Monteleone, analista do Barclays, em declarações ao FT.

O preço pago por CDS da banca é considerado como um barómetro quanto ao nível de risco das instituições financeiras. Em 2008 e 2009 disparou sinalizando que os investidores estavam mais dispostos a pagar mais para se protegerem de um incumprimento.

Como exemplo, os CDS de obrigações a 5 anos de gigantes norte-americanos como o Goldman Sachs, Morgan Stanley, Wells Fargo, Citigroup e Bank of America, atingiram este mês o valor mais baixo desde o final de 2007 e início de 2008, segundo dados da Bloomberg.

O JP Mortan é o único dos grandes bancos norte-americanos que ainda não regressaram a níveis pré-crise. Ainda assim, os CDS recuaram 47,6 pontos base na semana passada, o valor mais baixo desde janeiro de 2010.

Neste lado do Atlântico, os níveis dos CDS da banca europeia também afundaram, sobretudo depois das recentes medidas anunciadas pelo BCE. No caso do Barclays, o custo dos CDS recuou para os 50 pontos base, o valor mais baixo desde fevereiro de 2008, tal como o BNP Paribas e o Société Générale que vieram os seus CDS descerem para os 56,5 e 62,3 pontos base respetivamente, os níveis mais baixos desde o início de 2008.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
Desde o Lehman Brothers que o risco da banca mundial não era tão baixo