Desemprego estabiliza pela primeira vez em 6 meses: 17,5%

Há 705 mil inscritos nos centros
Há 705 mil inscritos nos centros

Portugal continua a apresentar a terceira maior taxa de desemprego da zona euro, mas em fevereiro este indicador estabilizou para se fixar em 17,5%. Desde agosto de 2012 que o desemprego não estabilizava em Portugal. O mesmo se verificou na zona euro, que registou uma taxa de desemprego de 12%, um valor idêntico ao do mês anterior (depois de revistos os 11,9%), mas um novo recorde para a região.

Segundo dados hoje revelados pelo Eurostat, o desemprego em Portugal, continua o terceiro mais elevado do euro, logo depois da Grécia (26,4%, em dezembro de 2012) e Espanha (26,3%). Por seu lado, as taxas mais baixas registaram-se na Áustria (4,8%), Alemanha (5,4%), Luxemburgo (5,5%) e Holanda (6,2%).

No total do mês, a zona euro registou 19.071 milhões de desempregados. Na União Europeia o número de desempregados subiu para 26.338 milhões, sendo que destes, 5.694 milhões eram jovens com menos de 25 anos. No euro, o Eurostat dá conta de 3.581 milhões de jovens desempregados.

Face ao ano passado, as subidas foram expressivas tanto no euro como na União Europeia a 27. A taxa de desemprego na zona euro subiu de 10,9% para 12% e no conjunto da União Europeia este indicador passou de 10,2% para 10,9%.

A variação homóloga tem mais peso em Chipre, onde o desemprego foi de 14%, em fevereiro. No ano passado, a taxa registada foi de 10,2%, enquanto que este ano foi registado um valor de 14%.

O Chipre junta-se aos restantes países do sul da Europa onde o desemprego registou um subida homóloga. Em Portugal foram 2,7 pontos acima, este ano; em Espanha registou-se um aumento de 2,4 pontos; na Grécia os últimos dados ainda não permitem uma comparação. A excepção surge no desemprego da Irlanda, que começou a cair no ano passado e que em fevereiro registou 1,1 pontos menos que no mesmo mês de 2012.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Desemprego estabiliza pela primeira vez em 6 meses: 17,5%