EUA

Desemprego nos EUA recua para 10,2% em julho

Vazio na Sunset Boulevard, no estado da Califórnia, Estados Unidos. (EPA/ETIENNE LAURENT)
Vazio na Sunset Boulevard, no estado da Califórnia, Estados Unidos. (EPA/ETIENNE LAURENT)

A taxa de desemprego nos Estados Unidos desceu para 10,2% em julho, contra 11,1% em junho, permanecendo superior àquela registada durante a crise de 2008, com 1,8 milhões de empregos criados, abaixo de maio e junho.

De acordo com os dados hoje divulgados pelo Departamento do Trabalho norte-americano (DOL), os EUA criaram 1,8 milhões de postos de trabalho em julho, um número que ficou abaixo do registado em maio (2,7 milhões) e junho (4,8 milhões), enfraquecido pela pandemia de covid-19, nomeadamente, pelo risco de uma nova vaga.

A taxa de desemprego passou assim, no mês em causa, de 11,1% para 10,2%, continuando ainda acima da registada durante a recessão económica de 2008-2009.

Os patrões voltaram atrás na intenção de contratar, com quase dois terços do país a interromper os planos de reabertura face ao covid-19.

Neste sentido, e considerando as contratações dos últimos três meses, a economia norte-americana recuperou 42% dos 22 milhões de empregos que perdeu devido ao impacto da pandemia, conforme revelou o DOL.

Por setor, o da manufaturação criou 26 mil postos de trabalho, menos de um décimo do valor alcançado no mês anterior.

Por sua vez, restaurantes, bares, hotéis e espaços de entretenimento geraram 592 mil postos, um quarto do aumento registado em junho.

Já o retalho criou 258 mil empregos, abaixo dos 800 mil de junho.

A crise provocada pelo novo coronavírus levou a economia dos EUA a contrair a uma taxa anual de quase 33% entre abril e junho, a pior queda trimestral já registada.

Em julho, 16,3 milhões de pessoas estavam no desemprego, quase o triplo dos 5,9 milhões sem trabalho registados antes da pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 715 mil mortos e infetou mais de 19,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (160.104) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 4,8 milhões).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

“Temos de ser cuidadosos em relação à dívida, no longo prazo ela terá de descer”

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Governo aposta no clima e competências para recuperação – mas sem empréstimos

Desemprego nos EUA recua para 10,2% em julho