Conselho das Finanças Públicas

Despesa com pessoal nas autarquias cresce o dobro do previsto

banca cfp
A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Receita está a crescer acima do previsto por causa da venda de terrenos da Câmara de Lisboa. Excedente dos municípios sobe para 669 milhões de euros.

Os salários dos funcionários das autarquias estão a pesar mais do que o previsto nas despesas dos municípios. No primeiro semestre deste ano, esta “rubrica justificou cerca de três quartos da variação da despesa corrente primária”, refere o Conselho das Finanças Públicas (CFP) no relatório da Evolução orçamental da Administração Local até junho de 2019.

A instituição liderada por Nazaré Cabral faz notar que “no Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), o Ministério das Finanças considerou um aumento de 3,0% nas despesas com pessoal da Administração Local (AdL) e, dentro destas, uma subida de 3,6% nas remunerações certas e permanentes, enquanto as taxas observadas até junho registaram um valor que é mais do dobro dessa previsão.”

As explicações avançadas pelo CFP para este aumento acima do projetado são duas. “A variação homóloga das despesas com pessoal, de 7,8%, decorrerá não só do aumento do pessoal ao serviço (4,6% até junho face a 2018), mas também do descongelamento faseado de carreiras iniciado em janeiro de 2018 com conclusão em dezembro de 2019”, lê-se no documento divulgado esta quinta-feira. Em relação ao aumento do número de funcionários, a variação está relacionada com a regularização extraordinária dos vínculos precários nos municípios.

Venda de terrenos faz disparar receita

Já a receita, está a crescer acima do previsto no OE2019 e há uma explicação clara para esse comportamento. “A venda de terrenos por parte do Município de Lisboa no montante de aproximadamente 250 milhões de euros levou a que a venda de bens de investimento tenha justificado cerca de metade da variação total da receita”, indica o relatório, acrescentando que a operação “impulsionou o agregado da receita própria não fiscal, que aumentou 313 milhões de euros até junho, em termos homólogos, contribuindo positivamente para a variação da receita (8,4 p.p.).”

A instituição liderada por Nazaré Cabral refere mais à frente que “cerca de quatro quintos do aumento das receitas próprias não fiscais é explicado pela venda de bens de investimento, onde se insere a alienação de terrenos do Município de Lisboa, cujo recebimento da última prestação (cerca de 192 M€) ocorreu em maio”, sendo que “sem esta operação, o contributo da rubrica de vendas de bens de investimento seria negativo”, indica o documento.

Novo calendário do IMI baralha contas

A evolução da receita do Impostos Municipal sobre Imóveis (IMI) caiu, mas trata-se apenas de uma questão contabilística e de calendário, uma vez que o prazo para o pagamento foi adiado um mês, afetando o momento em que esse montante entra nos cofres das autarquias. “Esta alteração teve impacto, ainda que temporário, na evolução da receita e do saldo global dos municípios na ótica de caixa no primeiro semestre, e em particular na quebra da receita fiscal registada até maio”, esclarece o CFP.

O efeito em sentido contrário é dado pela redução do limite mínimo para pagamento a prestações do IMI. “A alteração quanto ao limiar mínimo para pagamento em prestações atua no sentido descendente da comparação entre o mesmo período de 2018 e 2019”, uma vez que o limite mínimo passou de 250€ para 100€ em 2019.

Mas o contributo positivo do IMT compensou a queda da receita do IMI, que cresceu 0,7 pontos percetuais, “que a partir de março passou a registar uma variação positiva, permanecendo nessa situação até junho (5,7%), ainda que abaixo do previsto no OE/2019 (8,0%).”

Receita cresce o dobro da despesa

No primeiro semestre do ano, a receita cresceu 486 milhões de euros, numa evolução superior à despesa (205 milhões de euros). O CFP sublinha que a “taxa de variação homóloga acumulada da despesa ter-se-á situado em 6,2% acima do esperado no OE2019 para a AdL (+3,2%).” Facto é que, o crescimento da receita superou o da despesa, tanto em termos absolutos como relativos (13,1%), sendo que a taxa de variação da receita é superior à que está subjacente ao Orçamento do Estado (6,9%). E a ajuda veio da Câmara de Lisboa, liderada por Fernando Medina, ao encaixar a receita da venda dos terrenos.

Até ao final de junho, o excedente orçamental dos municípios situou-se em 669 milhões de euros. Trata-se de uma melhoria homóloga de 281,6 milhões de euros face a igual período do ano passado. No OE2019, a previsão do Ministério das Finanças, “em contabilidade pública, é de um excedente de 733 milhões de euros, mais 278 milhões do que em 2018”, refere o CFP.

A instituição lembra, contudo, que os orçamentos municipais “considerados de forma agregada prevê um défice de 1,6 mil milhões de euros.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O presidente do Conselho de Administração e Administrador-Delegado do Grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos. Inácio Rosa / Lusa

“Continuo muito cético”, diz Soares dos Santos em relação à economia portuguesa

Hebe

Jerónimo Martins expande marca Hebe para Eslováquia e República Checa

Despesa com pessoal nas autarquias cresce o dobro do previsto