Saúde

Despesa em saúde pública diminuiu em Portugal entre 2000 e 2017

Santa Casa da Misericórdia, Serviço Odontopediátrico de Lisboa.
(Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens)
Santa Casa da Misericórdia, Serviço Odontopediátrico de Lisboa. (Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens)

Portugal surge como um dos únicos quatro países da região europeia em que a percentagem da despesa em saúde pública se reduziu entre 2000 e 2017, segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado esta quarta-feira.

No documento sobre o acesso equitativo à saúde, a OMS analisa 33 países e concluiu que em 15 a despesa em saúde pública aumentou entre 2000 e 2017 e noutros 14 se manteve dentro dos mesmos níveis.

Apenas quatro países da região europeia registaram uma redução na despesa em termos percentuais do seu produto interno bruto: Portugal, Irlanda, Hungria e Israel.

A OMS recorda que alocar maiores recursos à saúde pública pode ajudar a reduzir a falta de equidade no acesso.

“Muitas intervenções na promoção da saúde e prevenção da doença são bastante custo-efetivas e poupam dinheiro e recursos no curto, médio e longo prazo”, refere o documento da OMS.

Do conjunto dos 33 países analisados, a despesa em saúde pública representou entre 0,03% a 0,52% do Produto Interno Bruto (PIB). Portugal surge com menos de 0,2% do PIB investido em saúde pública em 2017.

O Conselho Nacional de Saúde em Portugal tinha divulgado em 2017 um estudo em que classificava como insignificante a verba pública aplicada em promoção da saúde e prevenção da doença no país.

A análise sobre os fluxos financeiros do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicava que os gastos em cuidados preventivos representam pouco mais de um por cento da despesa corrente do SNS.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

TVI

Cofina avança com OPA sobre 100% da Media Capital por 180 milhões

Entrevista DV/TSF com secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.
Fotografia: PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Ana M. Godinho: “É preciso um compromisso de valorização e subida de salários”

Outros conteúdos GMG
Despesa em saúde pública diminuiu em Portugal entre 2000 e 2017