OE2019

Despesas de saúde e educação continuam a poder ser preenchidas à mão

Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens

Em 2019 vai continuar a ser possível às famílias recusar os valores do e-fatura e inscrever à mão a soma das despesas com saúde, educação e casa.

O governo vai manter no próximo ano a possibilidade de os contribuintes indicarem na sua declaração anual do IRS o valor das despesas com saúde, educação e casa, quando entendam que a soma dos valores que constam do e-fatura não corresponde à realidade.

Com e reforma do IRS, que entrou em vigor em 2015, determinou-se que apenas as despesas justificadas com fatura com NIF do consumidor e comunicadas ao Portal das Finanças seriam consideradas no momento de fazer as contas anuais do IRS.

A dificuldade em assegurar todo este circuito levou o governo a criar um regime extraordinário através do qual os contribuintes podem recusar os cálculos das deduções realizados pelo e-fatura e preencher o valor à mão. Este regime é de duração anual, tendo de ser prorrogado à entrada de cada ano e vai manter-se em 2019.

Os encargos com lares são outra das despesas que também podem ser inscritas à mão. A utilização desta opção obriga os contribuintes a terem de guardar as faturas durante quatro anos.

Com João Pedro Henriques

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Despesas de saúde e educação continuam a poder ser preenchidas à mão