BTL

Desporto pede mais investimento para atrair turistas

A carregar player...

Atletas, empreendedores e autarcas apelam a um maior investimento na promoção do turismo desportivo nacional.

Todos os anos, Portugal é visitado por 300 mil turistas que chegam com apenas um objetivo: jogar golfe. Correm o país de Norte a Sul, às vezes no próprio dia, e não olham a gastos, deixando cá 120 milhões de euros. Os vastos campos, com preços competitivos, e a que o clima dá uma ajuda, renderam a Portugal o título de melhor país para golfe. Como este outros desportos reclamam a notoriedade de quem já atrai várias nacionalidades a Portugal e contribui para mais e melhores turistas. Falta o investimento, dizem os especialistas, que subiram ao palco da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) para falar sobre ‘Portugal de Alto Rendimento’. O Dinheiro Vivo foi parceiro e moderou esta conversa.

O surf é um dos melhores exemplos de elevado retorno apesar do baixo investimento. No ano passado, em apenas 11 dias, o campeonato mundial de Peniche gerou 14 milhões de euros à economia local e uma taxa de ocupação de quase 100% nos hotéis e restaurantes. Frederico Teixeira ajudou a organizar esse evento e sabe o que falta ao turismo desportivo: promoção. Crente de que Portugal “não vai sair de moda”, o responsável da WTC diz que o desafio é “tabelar por cima e desmistificar a relação do preço e da qualidade” da oferta.

Lisboa , 01/03/2018 - Realiza-se hoje o segundo dia da BTL 2018. Conferência Portugal de alto Rendimento, Jorge Sampaio; João Netto; Gil Belfort; Frederico Teixeira; Herminio Torrão. ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Conferência Portugal de alto Rendimento. Da esquerda para a direita: Autarca de Anadia Jorge Sampaio; Maratonista João Netto; COO da Hole19 Gil Belford; Organizador da WTC Frederico Teixeira; Autarca de Montemor-o-Velho Herminio Torrão.
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

A Hole 19, uma app que liga as marcas a 1,2 milhões de golfistas, conhece bem a importância da divulgação. No ano passado, a startup investiu numa parceira com o Turismo de Portugal que, em oito meses, levou a app ao conhecimento de um milhão de golfistas. “O desafio que enfrentamos é mesmo esse, a comunicação para o exterior”, notou Gil Belford, responsável de operações da Hole 19.

Espalhar palavra é o que João Neto mais tem feito. É maratonista “não profissional” e leva a bandeira portuguesa para as provas que realiza. Já a ‘plantou’ em algumas das maiores montanhas do mundo, o que despertou a curiosidade dos ‘adversário’ para virem conhecer Portugal. “O nosso serviço turístico é melhor que muitos países”, considera, reconhecendo, ainda assim que “num país que só pensa no futebol, é difícil ser-se um atleta profissional, quanto mais amador. Nunca consegui vender o meu projeto formalmente, só consegui patrocinadores porque provei que aquilo vendia”.

No centro de alto rendimento de Anadia o problema persiste. Investiram-se 15 milhões de euros em infraestruturas para preparar atletas profissionais, que já atraíram desportistas de 70 nacionalidades. As 13 medalhas olímpicas e 17 paralímpicas lá guardadas comprovam o sucesso, que podia ser maior com mais investimento. “Falta-nos divulgar o nosso produto. Se o fizéssemos em conjunto era muito mais fácil. Portugal tem de competir diariamente com países como a China”, lamenta Jorge Sampaio, vice-presidente da câmara de Anadia.

Em Montemor-o-Velho também se fazem atletas de topo, mas para isso são gastos 300 mil euros anuais só na manutenção do centro de treinos. As medalhas não pagam contas e Emílio Torrão, autarca, pede uma “plataforma para promoção e divulgação dos centros”, algo que ainda não existe porque, lamenta Jorge Sampaio, “não faz parte da estratégia turística”. O golfe e o surf já têm uma.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Desporto pede mais investimento para atrair turistas