Detroit pondera vender obras do museu da cidade para pagar aos credores

ng3118203

A venda de menos de 5% do acervo do Instituto de Artes de Detroit, no Estado do Michigan, nos EUA, iria ajudar a cidade berço da indústria automóvel, hoje mergulhada na falência e numa dívida de 18,5 mil milhões de dólares (13,3 mil milhões de euros) que não consegue pagar, a renascer das cinzas. Mas o assunto é controverso.

A leiloeira nova-iorquina Christie”s avaliou entre 452 milhões de dólares (cerca de 333,6 milhões de euros ao câmbio atual) e 866 milhões de dólares (639,2 milhões de euros) apenas uma pequena parte da coleção. Mas admite que dependendo do interesse que despertar o leilão a venda pode atingir um valor superior.

A avaliação, pedida pelo gestor de falências, só incidiu em 2773 das 66 mil obras do museu, limitando-se exclusivamente às peças compradas total ou parcialmente pelo município e deixando de fora as provenientes de doações, cuja venda teria mais riscos de dar origem a processos judiciais.

Mas deste pequeno núcleo fazem parte telas de interesse mundial, como A dança do casamento, de Bruegel, a mais valiosa da coleção (cerca de 147 milhões de euros), um autorretrato de Van Gogh (111 milhões de euros), ou A Visitação, de Rembrandt (66,4 milhões de euros). A própria Christie”s salientou que 75% do valor avaliado assenta em apenas 11 das quase três mil obras selecionadas, sem no entanto revelar quais.

Mesmo assim há quem defenda que face à situação de Detroit e do próprio museu, também em rutura financeira, toda a coleção deveria ser vendida. Esta é igualmente a posição dos maiores credores, que afirmaram em tribunal que a coleção do museu não é um ativo essencial da cidade e que deveria, portanto, ser usado para saldar as dívidas.

Fundado há 129 anos, o Instituto de Artes de Detroit reúne além das obras já mencionadas, quadros de Caravaggio, Gauguin, Picasso, Matisse, Tintoretto, esculturas de Rodin e dois murais do pintor mexicano Diego Rivera, que retratam o auge da indústria automóvel quando Detroit era a quarta cidade mais importante dos Estados Unidos. O forte da coleção é, no entanto, a pintura americana. Há estimativas que avaliam a totalidade do acervo em 2,5 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), cerca de 13,5% da dívida pública de Detroit.

A maioria da população recusa vender as obras, que considera um bem público, enquanto fonte cultural, e não propriedade do Estado. Esta é também a posição do diretor do museu, Graham Beal, que de acordo com o New York Times preconiza que qualquer venda poderá levar à dissolução do museu, uma vez que afetaria a confiança dos doadores que muito provavelmente parariam de continuar a fazer doações em dinheiro ou peças de arte.

Numa sondagem publicada há alguns meses, cerca de 78% dos entrevistados estava contra a venda de peças da coleção para pagar aos credores. Mas quase na mesma proporção (75%) opunham-se também aos cortes nas pensões para pagar a dívida. As duas coisas, salvar a arte e as pensões, ou mesmo a cidade, podem não ser compatíveis.

Há pouco tempo o museu teve que fechar inesperadamente por falta de energia devido a falhas nos equipamentos municipais. Apenas uma das muitas falhas de funcionamento que Detroit, com um défice orçamental anual de 100 milhões de euros, tem. Desde 1960, a cidade perdeu mais de um milhão de habitantes, reduzidos agora a 700 mil, menos de metade dos que tinha então (1,8 milhões), devido ao desemprego duas a três vezes superior à média nacional.

A fuga da indústria automóvel para países com mão de obra mais barata deu origem ao declínio. A crise de 2008 fez o resto, mergulhando definitivamente as contas municipais no vermelho. A cidade de verá apresentar em março um plano de pagamentos aos credores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa Silva partex

Costa Silva. Um astronauta ao contrário para remexer a fundo no país?

TIAGO PETINGA/LUSA

António Mexia recusou responder ao juiz Carlos Alexandre no caso EDP

Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital,. Foografia: Manuel de Almeida / LUSA

Siza Vieira. Há 46 mil empresas com pedidos de lay-off renovados

Detroit pondera vender obras do museu da cidade para pagar aos credores