finanças pessoais

Devo vender a minha casa enquanto os preços estão em alta?

Foto: REUTERS/Pedro Nunes
Foto: REUTERS/Pedro Nunes

Numa altura em que os preços das casas batem recordes, a dúvida instala-se na mente de muitos proprietários: deve o momento “quente” do mercado ser aproveitado para vender a casa por um bom preço?

O Dinheiro Vivo consultou algumas das maiores imobiliárias nacionais para tentar perceber se vale mesmo a pena arriscar. Segundo os especialistas, há vários fatores a ter em conta antes de pendurar o sinal “vende-se” na porta, e sem ponderação poderá correr riscos desnecessários. Mas com a estratégia certa, e alguma sorte à mistura, é possível sair a ganhar.

Devo aproveitar que o mercado está em alta para vender a minha casa?

“A venda de uma habitação pode sempre significar uma boa estratégia de investimento desde que seja feita após ponderação e análise do mercado imobiliário”, aponta Paulo Morgado, Administrador da ERA Portugal.

O responsável alerta que os proprietários não devem partir para a venda com a confiança de que o mercado vai abrandar, e que mais tarde ou mais cedo será possível comprar outra casa e ainda ter lucro.

“O preço das casas está relacionado com a dinâmica da oferta e da procura. Face à oferta crescente de vários projetos que estão neste momento em fase de construção, admitimos que o preço final das casas vá estabilizar nos próximos tempos. Mas isso não significa que quem venda agora uma casa consiga depois comprar outra com um valor mais baixo. Esse valor está muito dependente da altura da compra, das condições da habitação, do local, do vendedor, entre vários outras variantes socioeconómicas que podem influenciar essa compra”, afirma.

Que fatores devo ter em conta antes de pôr a minha casa à venda?

Um dos mais relevantes, apontam os consultores, é o das mais-valias associadas aos imóveis. Especialmente se a intenção é vender a casa para gerar lucro com o negócio.

Esse lucro corresponde às chamadas mais-valias, e está sujeito a 50% de tributação no IRS. Ou seja, se depois de descontar o valor da compra da casa e possíveis gastos com a valorização do imóvel ainda ficar com um lucro de 20 mil euros, será tributado em 10 mil euros.

Há duas formas de evitar esse encargo. Ter comprado a casa antes de 1989 ou reinvestir as mais-valias na compra de outra casa no prazo máximo de 36 meses.

Portanto, sublinham os especialistas, não é só o boom do mercado imobiliário que deve influenciar a decisão.

“Neste contexto, o melhor momento para vender a casa depende de muitos fatores, que ultrapassam as dinâmicas do mercado. Um aspeto determinante é a urgência que se tem em vender. Naturalmente, quem tem tempo e possibilidade de fazer uma venda lenta irá sempre otimizar o valor da transação. Por outro lado, quem tem urgência terá que colocar em venda o imóvel com um valor mais baixo para conseguir uma transação mais rápida”, diz Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.

E o mesmo se aplica a quem compra, aponta o responsável. “Vender caro e comprar barato é o sonho de todos os consumidores, mas só pode ser concretizado por quem tem tempo para esperar para vender – maximizando o valor de venda – e por quem tem uma casa para viver até encontrar outra – de acordo com as suas necessidades e poder de compra – com um preço mais baixo, aproveitando uma eventual alteração de tendência do mercado específico onde pretende adquirir a habitação”, conclui Ricardo Sousa.

Que conselhos devo seguir antes de tomar a decisão?

Ponderar, avaliar, consultar. São os termos mais usados pelas imobiliárias quando questionadas sobre os passos que um proprietário deve seguir antes de se tornar vendedor de um imóvel.

“O mercado sempre teve, tem e terá excelentes oportunidades de investimento, mesmo em conjunturas menos favoráveis. A decisão de compra/venda não deve ser levianamente tomada apenas pela influência da conjuntura, mas essencialmente pelos proveitos futuros que se esperam e perspetivam. Esta é a ótica do bom investidor, que analisa o que fazer com o capital disponível, procurando as melhores oportunidades na relação tempo/ volume/ retorno”, sublinha fonte oficial da RE/MAX.

Para os especialistas da agência, face a tantas e tão diferentes oportunidades que o mercado proporciona, “os melhores conselhos são os da prudência aquando da decisão de venda, e da análise crítica e objetiva aquando da compra”.

Segundo a RE/MAX, “em todas as conjunturas há excelentes oportunidades, pelo que não basta o arrefecimento do mercado para motivar, pura e simplesmente, uma decisão tão importante como essa de vender caro e comprar depois mais barato: interessa avaliar os riscos e perspetivar os possíveis proveitos”.

A decisão de vender acaba por estar ligada à de comprar, e nesse sentido, exemplifica a RE/MAX, dono de um apartamento no centro de Lisboa deverá ponderar as duas opções em simultâneo: “se o que vende é a sua primeira habitação, forçosamente não poderá estar tanto tempo à espera de uma queda de preço quanto outro proprietário cujo imóvel é secundário”, alertam os especialistas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(REUTERS/Kevin Coombs)

Acordo para o brexit com pouco impacto para Portugal

London Mayor Boris Johnson speaks at a Vote Leave rally in Newcastle, Britain April 16, 2016. REUTERS/Andrew Yates

Deputados tentam adiar Brexit. Boris Johnson não quer esperar mais

Emmanuel Macron, Presidente de França, com Angela Merkel, Chanceler da Alemanha. EPA/OMER MESSINGER

França: Novo adiamento do Brexit não interessa a ninguém

Outros conteúdos GMG
Devo vender a minha casa enquanto os preços estão em alta?