Guerra comercial

Disputas Comerciais: China e EUA poderão voltar à mesa das negociações

Reuters/Damir Sagolj
Reuters/Damir Sagolj

As perspetivas de Washington e de Pequim regressarem à mesa das negociações, para debaterem questões comerciais, estão a aumentar

A China e os Estados Unidos podem voltar à mesa das negociações, para debater questões comerciais, depois do presidente Donald Trump ter ameaçado aplicar novas tarifas sobre bens chineses importados para os EUA, avança a Bloomberg.

O vice-ministro do Comércio da China, Wang Shouwen, apelou aos responsáveis pelo comércio dos Estados Unidos para resolverem o conflito através de uma nova ronda de negociações bilaterais. Apesar de ontem, após os EUA terem ameaçado aplicar taxas aduaneiras sobre importações chinesas para o país no valor de 200 mil milhões de dólares (cerca de 170 mil milhões de euros), Pequim ter dito que se tal viesse a acontecer iria responder, fontes da Bloomberg indicam que esta disponibilidade para negociar vai ao encontro das pretensões das equipas de Trump, que pautam-se precisamente por um regresso à mesa das negociações.

“Quando temos um problema [ao nível] comercial, devemos falar sobre isso”, disse Wang numa entrevista à Bloomberg, na quarta-feira. “Deveríamos sentarmo-nos e tentar encontrar uma solução para este problema comercial”.

Se as duas partes regressarem à mesa das negociações isso será uma evolução face aos últimos desenvolvimentos nesta área. É que, de acordo com a agência de informação, a comunicação entre elementos mais seniores das duas administrações diminuiu gradualmente desde a terceira ronda de negociações, que terminou com poucos sinais de um entendimento, no início de junho.

Os EUA e a China têm agora cerca de sete semanas para chegarem a um acordo ou, por outro lado, aprofundarem o clima de guerra comercial. É que as novas tarifas sobre bens chineses importados para os EUA, no valor de 200 mil milhões de dólares, devem entrar em vigor a 30 de agosto.

Apesar deste sinal de alguma disponibilidade para negociar, e de acordo com a agência, não há um calendário formal para negociações. O diálogo estará a decorrer entre elementos menos conceituados dos dois governos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Disputas Comerciais: China e EUA poderão voltar à mesa das negociações