Dívida

Dívida pública atingiu novo máximo antes do pagamento ao FMI

Foto: DR
Foto: DR

Dívida pública atingiu os 251,5 mil milhões de euros em novembro antes do pagamento de 4,7 mil milhões ao FMI.

A dívida pública voltou a subir em novembro, atingindo um novo máximo histórico. Aumentou cerca de 400 milhões de euros em relação a outubro, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal. “Em novembro de 2018, a dívida pública situou-se em 251,5 mil milhões de euros, aumentando 0,4 mil milhões de euros relativamente ao final de outubro”, revela a instituição liderada por Carlos Costa num comunicado.

A explicar o aumento estiveram “essencialmente os empréstimos e as emissões de títulos de dívida”, refere o Banco de Portugal. A subida ocorreu no mês que antecedeu o último reembolso do empréstimo do Fundo Monetário Internacional, no montante de 4,7 mil milhões de euros, o que indicia que o montante da dívida pública em dezembro poderá interromper a tendência de subida dos últimos meses.

Ainda assim, o valor nominal da dívida deverá fechar 2018 acima do verificado no ano anterior. No final de 2017, o montante total de dívida era 242,8 mil milhões de euros. Estes valores incluem dinheiro que o Tesouro tem guardado em depósitos. Excluindo esses ativos, o valor da dívida líquida superou 225 mil milhões em novembro, uma subida de 600 milhões em relação a outubro. No final de 2017 era de 223 mil milhões de euros.

Apesar de serem divulgados mensalmente os dados do valor nominal da dívida, as agências de rating e os investidores tendem a dar maior atenção à evolução anual da dívida em relação à dimensão da economia. No Orçamento do Estado, o governo prevê que o endividamento público seja equivalente a 121,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no final deste ano. No final de 2017 tinha sido de 124,8% do PIB. As previsões do governo apontam para que esse rácio passe abaixo dos 120% do PIB em 2019. Em setembro, data dos últimos dados disponibilizados pelo Banco de Portugal, esse indicador era de 125%.

Atualizada às 11:17 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Dívida pública atingiu novo máximo antes do pagamento ao FMI