Dívida

Dívida pública recua para valor mais baixo desde 2012

Ricardo Mourinho Félix e Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA
Ricardo Mourinho Félix e Mário Centeno. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

A dívida pública chegou a dezembro de 2017 num valor mais alto do que um ano antes, mas o seu peso no PIB recuou para níveis de 2012.

O ano de 2017 fechou com o peso do endividamento público no Produto Interno Bruto a situar-se em 126,2%. São menos 4,1 pontos percentuais do que no final de 2016, segundo mostram os dados publicados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

Trata-se de uma das maiores quedas dos últimos anos e é necessário recuar a 2012 para encontrar um ano em que o peso do endividamento do Estado na economia era inferior aos 126,2% agora divulgados. Este valor fica em linha do que tinha sido estimado pelo governo – que apontava exatamente para 126,2%.

Os reembolsos antecipados ao Fundo Monetário Internacional (um dos organismos que emprestou dinheiro a Portugal quando o país avançou para um resgate), cujo valor compensou as novas emissões de dívida, e o crescimento da economia registado em 2017 (2,7%) foram determinantes para este recuo do rácio da dívida quando medido em percentagem do PIB.

Em valor, a dívida pública chegou a dezembro de 2017 nos 242 598 milhões de euros – acima dos 240 958 milhões registados um ano antes.

A informação divulgada mostra que o peso da dívida na economia atingiu o valor mais elevado de sempre no final em março de 2014 altura em que se situou em 133,0% do PIB. Ao longo do ano passado, o ponto mais alto foi observado no final do segundo trimestre, com o rácio a ascender a 132,1%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Moratórias bancárias estendidas até final de setembro de 2021

covid-19 portugal corona virus

Emprego público sobe 0,9% com contratações da saúde e oficinas da CP

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva TIAGO PETINGA/POOL/LUSA

Prorrogada situação de contingência em Portugal continental até 14 de outubro

Dívida pública recua para valor mais baixo desde 2012