Turismo

Do grande capital do Norte até ficar em mãos americanas

Vilamoura
O projeto Vilamoura nasceu na década de 60. Fotografia: D.R.

Em 2015, Vilamoura passa para as mãos dos americanos da Lone Star, por um valor de 200 milhões de euros.

Artur Cupertino de Miranda, fundador do extinto Banco Português do Atlântico – que chegou a ser controlado pelo então chamado núcleo do Norte, constituído por alguns dos mais relevantes empresários da região – está na génese do sonho de transformar Vilamoura no maior empreendimento turístico privado da Europa. É o banqueiro que compra no início da década de 60 a Quinta do Morgado de Quarteira, uma propriedade de 1600 hectares, pertença da família de António Júdice Fialho, grande industrial de conservas.

Por essa altura é criada a sociedade Lusotur, a quem se deve a alteração do nome da quinta para Vilamoura. O sonho de erigir um resort nestas terras algarvias começa por se materializar na construção da marina no início da década de 70, uma obra pioneira no país. À volta do porto náutico foram surgindo posteriormente vários empreendimentos e equipamentos residenciais e turísticos.

Em 1996, o empresário André Jordan entrou no capital da Lusotur e seis anos mais tarde assumiu toda a empresa.

Nova vida e expansão

Em 2004, Vilamoura deixa de estar em mãos portuguesas. André Jordan vende o projeto à espanhola Prasa por 360 milhões de euros. O grupo imobiliário acaba por entrar em insolvência e a Lusotur ingressa na carteira do Catalunya Banc.

O banco passa a deter os ativos imobiliários (350 mil metros quadrados de área bruta de construção), a concessão da marina, o museu e ruínas romanas Cerro de Vila, o Centro Equestre com 25 hectares, o parque ambiental com 170 hectares, 26 quilómetros de ciclovias e sete concessões de praia (duas de Vilamoura e cinco da Falésia).

Sem interesse neste negócio, procura vender o empreendimento, mas a crise económica e financeira só permitiu a transação em 2015, quando Vilamoura passa para as mãos dos americanos da Lone Star, por um valor de 200 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Do grande capital do Norte até ficar em mãos americanas