Turismo

Donos de alojamento local contestam agravamento das tarifas da água

Fotografia: Artur Machado/Global Imagens.
Fotografia: Artur Machado/Global Imagens.

A EPAL vai passar a cobrar os alojamentos locais como se fossem comércio. Os proprietários estão indignados.

A conta nunca passava dos 35 euros. Foi por isso que quando recebeu a última fatura da água do alojamento local (AL) que explora em São Vicente, em Lisboa, Margarida ficou surpreendida com os 99 euros que estavam a ser cobrados pela EPAL. No esclarecimento, a empresa que gere o abastecimento de água na capital explicou que está a atualizar as tarifas dos alojamentos locais. Em vez de consumo doméstico, vão passar a ser cobrados como comércio ou indústria. O valor é quase três vezes mais alto.

No Facebook, queixas são às dezenas e provêm de todo o país. “Começou com a Tavira Verde, que foi a primeira a mudar o tarifário. A Águas do Porto também já aplica a tarifa comercial”, explica ao Dinheiro Vivo Carla Costa Reis, que criou o grupo ‘Alojamento local – esclarecimentos’. Ela própria é dona de uma casa em Lisboa que arrenda a turistas. A EPAL mudou-lhe a tarifa no início de 2017. Carla Reis Costa contestou e a empresa devolveu-lhe o dinheiro. “O Plano Diretor Municipal (PDM) de Lisboa é muito claro e define o uso habitacional para os alojamentos locais. O uso que é dado à água nos AL não é para rega, não é de lavagem de carros. É o uso para tomar banho, para beber ou para cozinhar. Esse uso é habitacional, logo está incluído no tarifário doméstico da EPAL”, defende.

Segundo o PDM de Lisboa que está em vigor, uso habitacional “compreende as áreas afetas à residência unifamiliar e coletiva, incluindo instalações residenciais especiais (estabelecimentos de alojamento local (…) que, em função da dimensão da área e dos serviços prestados, manifestem especial compatibilidade com o uso habitacional)”.
Quando a EPAL devolveu o dinheiro a Carla Reis, ainda em 2017, explicou que se encontrava na altura a “aguardar diligências”, entendendo “repor a classe de consumo para doméstico até clarificação”.

Questionada pelo Dinheiro Vivo sobre as queixas recentes dos proprietários, a empresa remeteu a mudança do tarifário para a nova lei do alojamento local, que entrou em vigor em outubro. “As regras de aplicação e definição da atividade estão definidas no diploma. O tarifário da EPAL compreende uso doméstico e uso não doméstico. Utilizador doméstico é entendido como aquele que use o prédio urbano servido para fins habitacionais do próprio e/ou do seu agregado familiar. Todas as situações restantes são entendidas como uso não doméstico”, explicou a EPAL.

A lei define como Alojamento Local os estabelecimentos que, através de pessoa singular ou coletiva, prestam “serviços de alojamento temporário a turistas, mediante remuneração”.

“Ninguém vende garrafas de água em casa”
O advogado Miguel Torres Marques, que no ano passado emitiu um parecer jurídico a contestar a ação da EPAL, considera que a lei protege as pessoas singulares. “Há uma tarifa que se aplica às pessoas singulares e outra que se aplica às pessoas coletivas. Uma das modalidades de AL é a figura “quartos”, ou seja, pessoas que vivem na sua própria casa e recebem hóspedes. A morada é própria e permanente e mesmo assim está a ser aplicada uma tarifa não doméstica, ao contrário do que diz o regulamento. Os proprietários de AL podem apresentar uma reclamação se forem pessoas singulares. Apesar de ser uma atividade económica, o facto é que é usado para habitação”, explica o advogado.

Carla Costa também aconselha os proprietários a reclamar. “Quando arrendamos uma casa, o senhorio faz dinheiro com ela mas não é por ter lucro que as pessoas que usam aquela casa passam a ter um tarifário comercial. Com o alojamento local é a mesma coisa. Neste momento não há argumentação nenhuma que a EPAL possa desenvolver que justifique o tarifário comercial. Ninguém vende garrafas de água em casa”, justifica.
A proprietária conta que no ano passado a empresa lisboeta ressarciu algumas dezenas de consumidores, “alguns em milhares de euros”. Além do PDM, os proprietários recorrem a um acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, emitido antes da alteração da lei, segundo o qual o “alojamento local não é um acto de comércio”. O acórdão em questão diz respeito a uma disputa judicial num condomínio.

A EPAL não é a única empresa que está a aplicar a tarifa comercial nos alojamentos locais. A Águas do Porto também o faz. “No porto o PDM não menciona o uso que é dado ao alojamento local, e assim é mais difícil argumentar”, explica Carla Reis. O Dinheiro Vivo tentou contactar a empresa, sem sucesso. No Porto, a tarifa doméstica do primeiro escalão é de 0,573 euros por metro cúbico, enquanto a tarifa comercial é de 1,9451 euros. Aqui, só se a morada fiscal do proprietário coincidir com a do AL é que a Águas do Porto aplica a tarifa doméstica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Donos de alojamento local contestam agravamento das tarifas da água