parlamento europeu

Draghi. “A última crise quase acabou com a zona euro”

"É necessário mais trabalho para tornar a zona euro mais resiliente face a crises futuras", avisou Mario Draghi, no Parlamento Europeu.

“Podemos dizer que a zona euro emergiu de uma crise tão grave que, por vezes, ameaçou a sua existência”, admitiu esta tarde de terça-feira, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, naquela que terá sido a sua última intervenção no Parlamento Europeu para fazer o balanço anual do BCE. Draghi deixa a liderança da autoridade monetária a 31 de outubro deste ano.

O balanço anual feito perante os deputados europeus, em Estrasburgo, serviu para o banqueiro central italiano admitir que, de facto, o euro esteve quase a implodir com as crises da dívida soberana, que fizeram cair Portugal, Grécia e Irlanda, e que deixaram Espanha, Itália e até França em situações muito frágeis nos mercados durante os anos de chumbo, de 2011 a 2013.

Draghi reconheceu que se esteve à beira do abismo, mas garantiu que hoje “estamos fora” da crise “principalmente devido à resiliência, à energia e à capacidade empreendedora dos cidadãos europeus, bem como à sua confiança no compromisso dos seus líderes para com o euro”.

O italiano referiu ainda que “a nossa resposta política e as alterações importantes à arquitetura da União Económica e Monetária (UEM), entretanto, também ajudaram a área do euro a sair da crise”.

“Em muitos aspetos, temos hoje uma união monetária mais forte do que a de 2008. Isto também se reflete na popularidade do euro entre os cidadãos, que atualmente está no seu nível mais alto desde que a moeda foi introduzida. Mas ainda é necessário mais trabalho para completar a UEM, de modo a torná-la mais resiliente face às crises futuras”, pediu Draghi aos parlamentares.

Em segundo lugar, “as reformas a nível nacional e o forte compromisso político para com o euro demonstrado pelos decisores políticos europeus foram igualmente decisivos no reforço das bases do nosso projeto comum”.

E é preciso mais. “Sem mais reformas, não há crescimento”, insistiu.

“Mas as mudanças necessárias levaram tempo, o tempo que a zona euro perdeu na sua recuperação. A nossa união monetária está agora em melhor forma, mas mais progressos podem e devem ser feitos”, recomendou.

Na opinião de Mario Draghi, a zona euro tem de começar a “utilizar uma ampla combinação de políticas envolvendo instrumentos monetários, orçamentais, prudenciais e estruturais”.

Em Estrasburgo, a convite do Parlamento Europeu

(atualizado às 17h30 com mais declarações)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Centeno dá bónus de 655.297 euros à administração da CGD

Outros conteúdos GMG
Draghi. “A última crise quase acabou com a zona euro”