Durão Barroso acusa bancos de serem responsáveis pela crise

Durão Barroso
Durão Barroso

Durão Barroso acusou hoje o sector financeiro de “comportamento irresponsável”, de “praticas intoleráveis” e de não reconhecer os “impressionantes esforços de ajustamento” de alguns países como Portugal.

O presidente da Comissão Europeia acusa ainda os bancos de estarem na “origem” e de continuarem a não reconhecer os “impressionantes esforços de ajustamento”, dando o exemplo de Portugal, que continua a ter “um problema de financiamento da economia”.

“Alguns dos nossos países, na realidade, estão a fazer impressionantes – impressionantes! – esforços de ajustamento”, advogou Barroso, questionando “o que é que a Grécia alcançou? Ou Irlanda, ou Portugal?”.

Estes países “têm também um problema de financiamento da economia. Precisamente porque houve a contaminação do problema da dívida soberana com os problemas dos bancos”, justificou.

Durão Barroso entende que o sector financeiro foi o causador do “problema”, rejeitando que a origem da crise possa ser atribuída à moeda única e isso “não deve ser esquecido”.

“Não, não foi o euro. O Reino Unido colocou mais dinheiro dos contribuintes para salvar o sector bancário do que qualquer outro país da Europa. A Islândia não é um membro do euro, nem da União Europeia. Então não foi o euro que criou o problema”, defendeu.

Para o presidente do executivo comunitário, “foi o comportamento irresponsável do sector financeiro em diversas partes do mundo, incluindo os Estados Unidos” que esteve na “origem do problema”.

Barroso defende por isso uma supervisão mais efetiva como forma de travar as “práticas intoleráveis” nas quais os bancos “insistem”.

“Infelizmente vemos que algumas pessoas no sector financeiro não aprenderam nada. Temos visto bancos nos Estados Unidos a financiarem o Irão, contra toda a legislação americana. Temos visto bancos ingleses a financiarem os cartéis da droga no México,” acusou Durão Barroso perante os deputados do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, durante o debate sobre o estado da União.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Os grupos retalhistas têm planos de novas aberturas para o próximo ano. Foto: D.R.

Em dois anos abriram em Portugal quase 300 supermercados

(Amin Chaar / Global Imagens)

CTT vai distribuir entregas urgentes da Revolut em Portugal e Espanha

Fotografia: D.R.

Fornecedores de multinacionais poluem 5,5 vezes mais

Outros conteúdos GMG
Durão Barroso acusa bancos de serem responsáveis pela crise