crédito

“É provável que o facilitismo no acesso ao crédito vá voltar”

Clínica Doutor Finanças inaugurada no dia 25 de setembro de 2018 em Lisboa ( Pedro Rocha / Global Imagens )
Clínica Doutor Finanças inaugurada no dia 25 de setembro de 2018 em Lisboa ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Apesar do "boom" de concessão de crédito em julho, “o valor amortizado todos os meses ainda é superior ao crédito habitação concedido”.

Os empréstimos às famílias estão a diminuir, situando-se atualmente em mínimos de 2010. Quem o diz é Rui Bairrada, o CEO da Doutor Finanças, à margem da inauguração da 1.ºclínica de finanças pessoais em Portugal, esta terça-feira, em Lisboa. Os dados são do Banco de Portugal (BdP) e são confirmados por Rui Bairrada.

“A crise levou a uma maior consciencialização. As pessoas estão mais atentas, mais racionais”, diz. As estatísticas do BdP revelam que os pedidos de crédito entre 100.000 e 250.000 euros estão a diminuir desde 2011 e os superiores a 250.000 euros estáveis desde 2017.

De acordo com a experiência da Doutor Finanças, que recebeu cerca de 17 mil pedidos de análise de crédito habitação até final de agosto, as famílias recorrem cada vez mais a capitais próprios, provenientes da venda de outros imóveis.

Apesar de em julho deste ano se ter falado de um dos maiores booms de concessão de crédito habitação, “o valor amortizado todos os meses ainda é superior ao crédito habitação concedido”, afirma Rui Bairrada. Esta situação reflete-se, para os bancos, em carteiras de crédito à habitação deficitárias. Face a esta situação, “é provável que o facilitismo no acesso ao crédito vá voltar”.

Até 2020, o plano da Doutor Finanças passa pelo reforço de várias áreas, nomeadamente com a parceria com imobiliárias. O objetivo será apoiar os clientes das imobiliárias na consultoria financeira, para que os consultores imobiliários possam dedicar-se apenas ao processo de angariação e venda de imóveis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

Foto: D.R.

TAP soma prejuízos de 111 milhões até setembro. E contrata 800 em 2020

Outros conteúdos GMG
“É provável que o facilitismo no acesso ao crédito vá voltar”