vinho

“É urgente investir mais nos vinhos Verdes”

Vinhos verdes têm margem de crescimento

A Região dos Vinhos Verdes tem de apostar na viticultura se quer continuar a crescer. Há 10 anos que as exportações de vinho Verde não param de aumentar: só este ano, o crescimento é já de 14%, mas a oferta e a procura estão ao mesmo nível. Não há stocks. Os investimentos em vinha são urgentes.

“Vivemos um momento de equilíbrio em que todos os anos os nossos stocks esgotam e o crescimento da região terá de se fazer pela viticultura. É essa a nova fronteira dos vinhos Verdes. A região está a fazer 700 hectares de vinha nova ao ano, mas é urgente investir mais”, diz o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV).

Manuel Pinheiro, que falava na gala e entrega de prémios da edição de 2015 dos “Melhores Verdes”, desafiou, ainda, os viticultores a concentrarem-se nas castas típicas da região. Por outro lado, aproveitou a ocasião para fazer referência à nova lei quadro das regiões, que o Governo está a preparar, sublinhando que a mesma “gera oportunidades, mas também apreensões”.

Nova lei quadro das regiões

Para o responsável, a nova lei quadro deve “respeitar a diversidade e não nivelar, muito menos por baixo”. E serviu-se do exemplo da comissão a que preside: 14 anos de “resultado equilibrado”, apesar de não aumentar taxas há sete anos; uma aposta no apoio aos viticultores, ao nível da formação e do marketing, mas também com um seguro coletivo de colheitas.

“Mais liberdade”, acompanhada de uma “maior responsabilização” é o que os Verdes querem, com Manuel Pinheiro a apelar ao Governo para que “oiça as regiões demarcadas”. Na sua opinião, há que permitir que o interprofissional, órgão de representação equitativa do comércio e da produção, “decida o futuro da sua região sem a interferência do Estado”.

Ontem à noite, a cerimónia ficou marcada pela homenagem a Manoel de Oliveira, nascido em 1908, exatamente o mesmo ano da carta de lei que demarcou a Região dos Vinhos Verdes (junto com o Dão, Colares e Carcavelos). A propósito, foi passado um pequeno excerto do documentário de 1940, intitulado Famalicão, e no qual o realizador retratava a vida do concelho e as vindimas.

“Melhores Verdes”: Três Alvarinhos no Top 5 de 2015

Quinta de Linhares Arinto, Dona Paterna Alvarinho, Modestu”s Arinto, Quinta das Pereirinhas Alvarinho e Terras de Monção Alvarinho são os Top 5 dos “Melhores Verdes”.

O júri, constituído por representantes dos principais mercados de exportação da região, teve a seu cargo a prova de 250 vinhos distintos e atribuiu 30 medalhas, distribuídas entre as categorias Best Of (Top 5), Ouro, Prata e Honra. Com a medalha de ouro foram 12 os vinhos distinguidos. A prata foi atribuída a 13 referências.”Há mais de 35 anos que a região distingue as melhores colheitas em prova cega e, nos últimos anos, sabemos que estamos a destacar produtores que somam prémios em muitos países”, destacou Manuel Pinheiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: Leonel de Castro/Global Imagens

Famílias com 12 meses para pagarem rendas do estado de emergência

(João Silva/ Global Imagens)

Papel higiénico, conservas:em 2 semanas, portugueses gastam 585 milhões no super

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

140 mortos e 6408 casos confirmados de covid-19 em Portugal

“É urgente investir mais nos vinhos Verdes”