Contas nacionais

Economia cresce ao ritmo mais forte dos últimos dez anos: 2,8%

António Costa, primeiro-ministro. Fotografia: NUNO FOX/LUSA
António Costa, primeiro-ministro. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Procura interna manteve contributo positivo elevado, verificando-se uma desaceleração do consumo privado e uma aceleração do investimento, diz INE.

A economia portuguesa está a crescer ao ritmo mais forte em quase dez anos. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,8% no primeiro trimestre de face a igual período do ano passado, o que representa uma aceleração significativa face ao final de 2016, altura em que a economia cresceu 2%.

Segundo a nova estimativa rápida do INE, “o Produto Interno Bruto (PIB), em termos homólogos, aumentou 2,8% em volume no 1º trimestre de 2017 (2% no trimestre anterior)”. De acordo com as séries longas do PIB, é preciso recuar ao 4º trimestre de 2007 para encontrar um crescimento assim tão elevado, de 2,8%.

Recorde-se que no início deste ano aconteceram vários fatores que ajudam a explicar aquele impulso maior no PIB. Houve um aumento do salário mínimo, a continuação da devolução de salários públicos e do fim da sobretaxa do IRS. Além disso, o primeiro trimestre de 2016 foi relativamente fraco (a economia cresceu apenas 1% nessa altura), pelo que se nota agora um efeito de base significativo.

No destaque publicado nesta segunda-feira, o INE explica que a aceleração da economia neste arranque de ano, pelo terceiro trimestre consecutivo, “resultou do maior contributo da procura externa líquida, que passou de negativo para positivo, refletindo a aceleração em volume mais acentuada das exportações de bens e serviços que a das importações”.

Além disso, “a procura interna manteve um contributo positivo elevado, embora inferior ao do trimestre precedente, verificando-se uma desaceleração do consumo privado e uma aceleração do investimento”.

Recorde-se que o investimento teve um início de 2016 bastante difícil, arrastado por uma contração da componente pública, mas já mais para o final, o investimento público despertou, animado pela entrada de fundos europeus. Este ano, estima-se que o investimento público possa crescer na casa dos 30% ou até mais.

O INE diz ainda que a economia cresceu em cadeia (face ao último trimestre de 2016) cerca de 1% em termos reais, tendo por isso acelerado face aos 0,7% precedentes.

“O contributo da procura externa líquida para esta variação em cadeia do PIB passou de negativo para positivo, observando-se um significativo aumento das exportações de bens e serviços, mais elevado que o das importações”.

Investimento total cresce, mas de forma moderada

“O contributo da procura interna diminuiu de forma expressiva devido, principalmente, ao comportamento do investimento, verificando-se um contributo negativo da variação de existências”. Isto é, houve uma depreciação do valor do investimento já realizado e ainda por utilizar. Podem ser stocks em armazém que entretanto viram o seu preço de mercado baixar, por exemplo.

“O contributo da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que é o investimento novo que realmente entrou no período em análise, “foi positivo no 1º trimestre de 2017, mas inferior ao observado no trimestre anterior”, refere ainda o instituto.

O governo acredita que a FBCF pode expandir-se 4,8% este ano, depois de ter caído 0,1% em termos reais, em 2016.

No final deste mês, a 31 de maio, o INE divulgará os resultados completos do PIB e suas componentes relativos ao 1º trimestre de 2017.

Governo, Banco de Portugal e, mais recentemente, Comissão Europeia projetam um crescimento médio anual de 1,8% para este ano.

(atualizado às 12h45)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Economia cresce ao ritmo mais forte dos últimos dez anos: 2,8%