Economia da partilha

Economia da partilha poderá ter impacto de 300 mil milhões em 2025

Estudo alerta para o vazio legal que algumas destas empresas enfrentam a nível mundial

Mais de 300 mil milhões de euros. Este poderá ser o impacto mundial da economia da partilha em 2025, segundo os dados da consultora Pricewaterhouse Coopers divulgados pelo estudo “Os limites da economia colaborativa”, elaborada pela espanhola Online Business School (OBS).

O documento, citado pelo jornal Expansión, analisa a rentabilidade e o crescimento do consumo colaborativo e os riscos e dificuldades deste tipo de iniciativas. Em 2015, já havia mais de 7 500 plataformas de economia da partilha a nível mundial.

Do lado dos fatores de sucesso, a Internet e as redes sociais, ao facilitar a pesquisa eficiente de pessoas interessadas no uso de um determinado produto ou serviço, permitem poupar tempo e custos, ao mesmo tempo que automatizam os processos e permitem maior transparência na informação.

Do lado dos riscos, o estudo alerta para o vazio legal que algumas destas empresas enfrentam a nível mundial.

A União Europeia calculou que a economia da partilha causou um impacto de 28 mil milhões de euros em 2015. Bruxelas defendeu no início de junho que as empresas ligadas a esta revolução, como Uber e Airbnb, só devem ser proibidas em último recurso.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Economia da partilha poderá ter impacto de 300 mil milhões em 2025