Coronavírus

Economia dos EUA enfrenta uma recessão profunda

Presidente da reserva federal, Jerome Powell 
(EPA/JIM LO SCALZO)
Presidente da reserva federal, Jerome Powell (EPA/JIM LO SCALZO)

A pandemia aumentou bastante as desigualdades, afirmou Jerome Powell, notando que as pequenas empresas são as mais afetadas.

Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed) afirmou hoje que a economia dos EUA enfrenta uma recessão profunda com “incerteza significativa” devido à covid-19, garantindo que serão utilizados os meios ao seu dispor para mitigar o impacto, mas ressalvando que, para já, “é improvável uma recuperação completa”.

Durante a sua intervenção no Congresso dos EUA, Powel notou que “a forma como a pandemia atingiu a economia […] aumentou bastante as desigualdades”, notando que as pequenas empresas são as mais afetadas. “Se uma pequena ou média empresa entra em insolvência devido à lenta recuperação da economia, perdemos mais do que apenas esse negócio”.

Em resposta aos senadores, o presidente da Fed assegurou ainda que, apesar de o choque na economia ter sido “o maior desde que há memória”, a resposta da Reserva Federal e do congresso também foi das maiores. “É o suficiente? Penso que há uma razoável probabilidade de serem necessários mais meios, tanto do [Congresso] como da Fed”, apontou.

Powell alertou ainda para os despedimentos que podem ocorrer ao nível das cidades e dos estados, tal como aconteceu após a recessão de 2008-2009, o que terá impacto na economia norte-americana. E defendeu que o Congresso deve considerar a possibilidade de estender os subsídios de desemprego além do período habitual.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

BdP: Tribunal da Relação é que pode ordenar levantamento do sigilo sobre BES

Ricardo Salgado

Banco de Portugal aplica nova coima a Ricardo Salgado

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva TIAGO PETINGA/POOL/LUSA

Governo. Mudanças de horários são “cirúrgicas” e não preveem turnos

Economia dos EUA enfrenta uma recessão profunda