Economia

BBVA: Economia portuguesa continua a desacelerar no 2.º trimestre

exportacoes

O BBVA Research reviu hoje em baixa para 2,0% a previsão de crescimento da economia portuguesa este ano, face aos anteriores 2,3%, estimando uma subida de 0,3% em cadeia no segundo trimestre do ano, contra 0,4% até março.

“Com base nos dados disponíveis até ao momento, o BBVA Research estima que o crescimento no segundo trimestre de 2018 se situaria em torno de 0,3% t/t [em cadeia]. Adicionalmente, isto implica a revisão em baixa de três décimas na previsão para o conjunto de 2018, até aos 2,0%”, refere o banco.

“O crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] em 2019 manter-se-ia próximo destes valores”, acrescenta.

Segundo o banco espanhol, “os poucos dados conhecidos do segundo trimestre do ano relativos à taxa de crescimento do emprego refletem uma ligeira queda de -0,2% em termos mensais em abril, enquanto a taxa de desemprego voltou a baixar até se situar em níveis que não se viam desde o início de 2004, de 7,4%”.

De abril a junho, “o consumo, o investimento e o turismo perde[ra]m dinamismo, enquanto o comércio externo mostra sinais de recuperação”, nota, apontando uma desaceleração das vendas retalhistas em abril de 4,1% em termos mensais (+0,7 homólogos).

Ainda referido pelo BBVA é o crescimento mensal de 2,1% em abril das exportações de bens cresceram 2,1% (+18,1% em termos homólogos) e de 2,0% e 13,1%, respetivamente, das importações.

Já o contrário foi observado na chegada de turistas, que em abril caiu 0,9% em termos mensais (+1,1% homólogos, o crescimento interanual mais baixo desde 2013), e nas dormidas, com uma quebra mensal de 0,8% (-1,5% homólogos).

Quanto ao índice de produção industrial, depois de um primeiro trimestre positivo, caiu 6,1% mensais em abril (+9,0% mensais em março), seguindo as quedas registadas no indicador de confiança industrial, que desacelera desde janeiro (-0,3% em maio).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
BBVA: Economia portuguesa continua a desacelerar no 2.º trimestre