Economia portuguesa diverge quando "outras convergem"

O crescimento económico do total de 2018 deverá ficar abaixo da meta do Governo (2,3%).

O crescimento da economia portuguesa em 2018 ter-se-á fixado entre 2,1% e 2,2%, um nítido abrandamento face aos 2,8% de 2017, revela a Nota de Conjuntura referente a janeiro de 2019, publicada esta sexta-feira, pelo Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade.

Em janeiro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou o ‘World Economic Outlook’ (WEO), relatório com previsões económicas mundiais, onde baixou as suas estimativas para a economia mundial, prevendo que cresça 3,5% em 2019 e 3,6% em 2020, menos 0,2 e 0,1 pontos percentuais, respetivamente, face às previsões anteriores.

De acordo com o Fórum para a Competitividade, o principal problema não está nesta revisão em baixa, mas sim na elevada incerteza e no facto de os riscos serem quase todos negativos. São exemplo a escalada de guerra comercial, um Brexit sem acordo e a desaceleração na China mais acentuada do que o previsto.

Em Portugal, os indicadores do 4.º trimestre estiveram quase sempre em desaceleração, acompanhando fatores quer do lado da oferta, quer da procura, em particular da procura externa, em claro abrandamento. "Assim, estimamos que o crescimento em cadeia tenha sido entre 0,5% e 0,7% e o crescimento homólogo entre 1,8% e 2,0%. O crescimento anual terá ficado entre os 2,1% e os 2,2%", pode ler-se na nota.

Quanto ao investimento, a instituição prevê que este vá acelerar em 2019."O investimento empresarial em termos nominais deverá apresentar um crescimento de 4,4% em 2019, face a um aumento de 1,9% em 2018, revisto em baixa face às perspetivas anteriores (5,1%), em particular nas empresas de maior dimensão (500 ou mais pessoas ao serviço)". Segundo o Inquérito de Conjuntura ao Investimento, divulgado no mês passado, a principal limitação ao investimento identificado pelas empresas foi a deterioração das perspetivas de venda, em linha com a previsão generalizada de abrandamento, quer da economia nacional, quer dos principais mercados de destino da produção.

A taxa de desemprego estabilizou nos 6,7%, uma décima acima do registado nos meses de setembro e outubro. O Fórum para a Competitividade prevê que a redução do desemprego vai continuar, embora de uma forma mais lenta, "pelo menos enquanto o crescimento económico se mantiver acima da tendência (1,5%)".

O saldo externo diminui até novembro de 2018. Até esse período, o saldo das balanças corrente e de capital foi de 863 milhões de euros (inferior aos valores acumulados até ao mês anterior), quando no período homólogo do ano anterior se tinha registado um superavit de 2513 milhões. A instituição lembra que em novembro de 2016 também se registou uma diminuição do excedente acumulado, pelo que encaram este comportamento como uma flutuação sazonal.

"A execução orçamental de 2018 revela um corte no investimento, para compensar despesa com pessoal acima do previsto, muito provavelmente devido à introdução das 35 horas na Administração Pública", lê-se na Nota de Conjuntura.

Comissão Europeia alerta para riscos orçamentais de Portugal

O Fórum para a Competitividade relembra um relatório da Comissão Europeia de há duas semanas que chama a atenção para os elevados riscos orçamentais de Portugal no médio e longo prazo. Um dos principais fatores prende-se com o baixo ritmo de redução da dívida pública. A instituição salienta que Portugal não aproveitou anos muito positivos para consolidar as contas públicas.

"A Comissão analisa o impacto dos choques económicos na dívida pública, mas concluiu que a maioria dos países conduz a sua política orçamental ignorando os fatores de incerteza".

Intitulado por "Divergir quando os outros convergem", o Fórum aponta no seu tema extra que tendo em conta que entre 2000 e 2018, a maioria dos estados-membros da UE terem convergido com a média europeia, "Portugal teve um desempenho oposto, de clara divergência, tendo baixado de um rendimento que era, em 2000, 84% da média europeia, para apenas 74% em 2018".

A Nota de Conjuntura revela que fomos ultrapassados por seis países: Estónia, Lituânia, Eslováquia, Eslovénia, República Checa e Malta. A estes, poderão acrescentar-se mais dois, a Hungria e a Polónia, ambos com um rendimento 73% da média, que nos poderão ultrapassar já em 2019. A Letónia também não deve ter de esperar muito para suplantar Portugal, nota o Fórum. Seríamos assim o quinto país mais pobre da UE, só atrás da Grécia, da Croácia, da Roménia e da Bulgária (o menos desenvolvido de todos, com apenas 54% do rendimento médio europeu).

O Fórum para a Competitividade é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, tendo como associados várias empresas, associações empresariais e particulares.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de