Eleições: Durão Barroso defende continuidade de “política responsável”

ng4599391

O ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso alertou hoje para a necessidade do vencedor das eleições legislativas levar a cabo "uma política responsável", para não colocar em causa os "ganhos de credibilidade" acumulados nos últimos anos.

“Espero que seja quem for que ganhe as eleições que leve a cabo uma política responsável, que não meta em causa os ganhos de credibilidade que foram acumulados nos últimos anos”, afirmou Durão Barroso, durante uma ‘aula’ na Universidade de Verão do PSD, que decorre até domingo em Castelo de Vide.

Pois, acrescentou, apesar do país estar neste momento num “caminho ascendente”, não está ainda “imune a uma alteração das circunstâncias”, até porque sempre que há “alguma turbulência” na Grécia, Portugal, Itália e Espanha “têm mais problemas”.

“Independentemente de quem ganhe as eleições, Portugal merece muito respeito pelo que fez estes anos”, frisou.

Pois isso, continuou, seja quem for que ganhe as eleições de 04 de outubro, é importante que mantenha uma política de responsabilidade orçamental e de reformas que permitam aumentar a produtividade e competitividade.

Durão Barroso deixou ainda elogios à forma como, “batendo todos os pessimismos”, Portugal conseguiu executar o programa de ajustamento estabelecido, tendo regressado aos mercados.

“O objetivo não era de um dia para o outro Portugal voltar a crescer extraordinariamente, porque isso infelizmente foi posto em causa por políticas anteriores acumuladas, que levaram a uma dívida muito elevada”, referiu, insistindo que “Portugal no seu conjunto tem todas as razões para se sentir orgulhoso pelo esforço feito”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Eleições: Durão Barroso defende continuidade de “política responsável”