luz

Eletricidade na Endesa vai custar o mesmo em 2018

REUTERS/Andrea Comas
REUTERS/Andrea Comas

Empresa não vai seguir a orientação de queda de 0,2% em 2018, definida pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos para o mercado regulado

A Endesa anunciou esta quarta-feira que vai manter os preços da eletricidade no ano que agora arranca, alegando que já pratica tarifas bastante competitivas. Desta forma, a empresa não sobe os seus valores, mas também não irá seguir a orientação de queda de 0,2% em 2018, definida pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta descida será operada pelo único fornecedor que opera no mercado regulado: a EDP – Serviço Universal.

“A Endesa Energia disponibiliza os melhores produtos para os clientes, pelo que não prevemos a necessidade de oferecer tarifas transitórias ou reguladas, já que as nossas tarifas são mais baixas do que as reguladas conforme referido no Boletim da ERSE de 29 de dezembro passado”, justifica a empresa em comunicado enviado às redações.

Os comercializadores de eletricidade tinham até março para decidirem se iam ou não praticar as condições de preço regulado. Em relação às outras empresas a operarem no mercado livre, a EDP Comercial já avisou que não terá esta oferta e que aumentará os seus preços em média em 2,5%, em 2018, a partir de 18 de janeiro. A Iberdrola optou por reduzir os preços em 2,4% e a Goldenergy já anunciou que oferecerá aos clientes tarifas equiparadas.

Este ano arranca com uma novidade para os consumidores, em relação à fatura da luz. As famílias e pequenos negócios que estão no mercado livre de eletricidade vão poder regressar à tarifa regulada, o que até agora era impossível. Também a partir de 2018, as faturas enviadas por todos os comercializadores em regime de mercado livre têm que indicar o valor da diferença entre o preço que praticam e a tarifa regulada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Eletricidade na Endesa vai custar o mesmo em 2018