pensões

Eliminação dos cortes garante pensão mais alta a 99% dos 9714 pedidos

Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Partidos acusam governo de publicidade enganosa e de não ter base legal para aplicar a regra do fim das penalizações sem considerar as bonificações

Desde a entrada em vigor do novo regime de reformas antecipadas para carreiras contributivas muito longas foram deferidas 9714 destas pensões. O dado é do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, que adianta ainda que em apenas 1% destes casos o valor da pensão é superior, se calculado com base nas regras que atribuem bonificações a quem tem muitos anos de descontos. Os números e as explicações não foram suficientes para afastar as dúvidas dos partidos da oposição e dos que integram a plataforma de apoio parlamentar ao governo, e tanto o PSD como o PCP já fizeram seguir perguntas ao ministro Vieira da Silva.

Em causa está o novo regime de pensões que entrou em vigor a 1 de outubro de 2017 e veio eliminar o corte pelo fator de sustentabilidade (que neste ano é de 1,45%) e a penalização de 0,5% por cada mês de antecipação face à idade legal da reforma, para as pessoas com 60 anos e que tenham iniciado a carreiras contributiva aos 14.

No entanto, e segundo noticiou o Jornal de Negócios, estas pensões antecipadas sem penalização estão a ser atribuídas sem ser considerada a bonificação que existe para quem tem carreiras contributivas além dos 40 anos. O Ministério do Trabalho garante que o cálculo do valor da pensão é sempre feito tendo em conta os dois regimes (sem penalização ou com bonificação), sendo escolhido o que resulte num montante mais alto. Só que – e é sobre isto que os partidos exigem explicações – não houve informação explícita de que o fim dos cortes e das penalizações para as carreiras contributivas longas implicava o fim das bonificações (ou vice-versa). PSD e PCP questionam mesmo a legalidade desta aplicação da lei.

Fonte oficial do Ministério do Trabalho e da Segurança Social referiu, entretanto, que “existem alguns trabalhadores que mesmo tendo longas carreiras contributivas, e porque já estão muito mais próximo da idade legal da reforma (66 anos e 4 meses) [tal] resulta que os fatores de bonificação lhes são mais favoráveis”.

Estes casos são “marginais”, sendo certo que, entre os 9714 pedidos de pensão deferidos entre 1 de outubro de 2017 e 16 de março de 2018, “99% beneficiam do novo regime, com pensões mais elevadas (sem penalizações e sem fator de sustentabilidade)”.

A idade média dos 9714 requerentes de pensões ronda os 61 anos e 6 meses.

Para o PSD esta garantia de que as reformas são previamente calculadas à luz dos dois regimes, sendo escolhido o que resultar num valor mais elevado, não chega. Os sociais-democratas acusam o governo de “dar com uma mão e tirar com a outra” e questionam qual a base legal para que não sejam consideradas as bonificações.

O PCP considera que a lei está a ser aplicada de forma errada e sem respeitar as expectativas de quem trabalhou muitos anos e continua sem ver as suas carreiras contributivas devidamente valorizadas. Para os comunistas não há nada na lei que autorize o governo a escolher entre os dois regimes.

Do lado do CDS-PP, Anacoreta Correia lamentou que esta situação não tivesse sido devidamente explicada, porque foi prometido acabar com as penalizações e os cortes sem que se tivesse assumido que as bonificações não eram, nestes casos, aplicadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Eliminação dos cortes garante pensão mais alta a 99% dos 9714 pedidos