5G

Embaixador chinês no Reino Unido lamenta decisão “dececionante” sobre Huawei

Fotografia: Alex Plavevski/AFP
Fotografia: Alex Plavevski/AFP

A partir de 01 de janeiro de 2021 passa a ser proibida a compra de qualquer novo equipamento 5G da Huawei.

O embaixador da China no Reino Unido, Liu Xiaoming, considerou “dececionante e equivocada” a decisão do Governo britânico de banir a Huawei da infraestrutura de redes de quinta geração (5G) do país.

Em resposta ao anúncio feito na terça-feira pelo Governo de Boris Johnson, o diplomata chinês questionou, através de uma mensagem na rede social Twitter, a capacidade do Reino Unido de oferecer um ambiente “justo” para as empresas estrangeiras.

“A decisão do Reino Unido sobre a Huawei é dececionante e errada. Agora tornou-se questionável se o Reino Unido pode oferecer um ambiente de negócios aberto, justo e não discriminatório para as empresas de outros países”, disse.

A partir de 01 de janeiro de 2021 passa a ser proibida a compra de qualquer novo equipamento 5G da Huawei. As operadoras de telemóvel britânicas vão ter ainda de remover todo o equipamento da empresa chinesa usado na infraestrutura de telecomunicações 5G do país até ao final de 2027.

A decisão foi tomada na terça-feira numa reunião do Conselho de Segurança Nacional presidida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, como resposta a sanções impostas pelos Estados Unidos à Huawei em maio.

Depois de tomar conhecimento da decisão, o diretor de comunicações da Huawei no Reino Unido, Ed Brewster, disse à cadeia televisiva BBC que a proibição se “deveu à pressão exercida pelos Estados Unidos”.

“Acho que é claro que isto não é uma questão de segurança, mas comercial. É uma campanha dos Estados Unidos focada em atacar os nossos negócios e tecnologia, e isto ocorre porque os Estados Unidos estão atrasados em termos tecnológicos”, acusou.

Brewster também rejeitou a perceção generalizada de que a empresa chinesa é uma subsidiária do Estado chinês.

“É a perceção, mas está incorreta. Somos uma empresa privada de tecnologia”, garantiu.

Em janeiro passado, Londres autorizou a Huawei a fornecer equipamento para partes não estratégicas da rede 5G, considerando que representava um risco “controlável” para a segurança nacional.

A mudança de posição do Executivo britânico ocorre após levar em conta a decisão anunciada em maio pelos Estados Unidos, de restringirem a venda de ‘chips’ ao grupo chinês, o que poderia comprometer a cadeia de fornecimento.

A Huawei opera no Reino Unido há mais de 20 anos e esteve envolvida no desenvolvimento das redes 2G, 3G e 4G, sendo o equipamento considerado mais barato e avançado do que o dos concorrentes, mas os EUA alegam que a empresa representa uma ameaça devido à sua alegada proximidade ao regime chinês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Trabalhos de descarga de contentores no Porto de Sines, 12 de fevereiro de 2020. TIAGO CANHOTO/LUSA

Exportações com quebra de 17% na primeira metade do ano

Isabel Camarinha, líder da CGTP, fala aos jornalistas após audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, 30 de julho de 2020. (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

CGTP. Governo nega complemento a quem esteve em lay-off sem justificação

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Embaixador chinês no Reino Unido lamenta decisão “dececionante” sobre Huawei