aviação

Emissão de dívida da TAP volta a ser premiada

Ilustração: Pedro Fernandes
Ilustração: Pedro Fernandes

Emissão premiada pela Bolsa, que considera a companhia a entidade emissora mais notável em 2019.

Depois da revista britânica da especialidade Airline Economics, os Euronext Lisbon Awards. A TAP voltou a ser premida pelo êxito da emissão com que pretende financiar a sua operação e renegociar dívida.

Nesta segunda-feira, a companhia aérea portuguesa recebeu o prémio “Issuer of the Year”, entregue no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa – “após apreciação de um júri composto pelos membros do PSI 20 Committee”. O prémio destaca a TAP como a entidade emitente que realizou a operação com maior relevância e visibilidade no mercado de capitais português. A operação datada de junho, que atingiu os 200 milhões de euros, quatro vezes o montante inicial, foi ainda a maior oferta pública de subscrição de obrigações por parte de um emitente corporate no mercado de capitais português, desde 2012.

“É um importante reconhecimento, por parte dos mercados financeiros, do trabalho que a TAP está a desenvolver, que nos deixa muito satisfeitos e reforça a confiança com que olhamos o presente e o futuro que estamos a construir”, reagiu Raffael Quintas, CFO da TAP.

O financiamento “servirá para consolidar o passivo da TAP num prazo mais alargado, através do refinanciamento de dívidas, bem como à obtenção de fundos para a TAP financiar a sua atividade corrente”, justificou a companhia, que já na semana passada fora premiada com o European Debt Deal of the Year nos Aviations 100 Awards, pelo sucesso da emissão de obrigações junto de investidores internacionais em dezembro de 2019.

Em reação ao novo prémio, Raffael Quintas fez questão de agradecer a todos os colaboradores que fazem da companhia “uma empresa cada vez mais sustentável, admirada e respeitada”, bem como “aos milhares de investidores portugueses que confiaram e confiam na TAP”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Emissão de dívida da TAP volta a ser premiada