2ª Conferência Económica

Empresários exigem fim dos vistos no espaço da CPLP

Salimo Abdula, presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, durante a 2ª edição da Conferência Económica do Mercado da CPLP, que se realizou no Porto. Foto: Igor Martins/Global Imagens
Salimo Abdula, presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, durante a 2ª edição da Conferência Económica do Mercado da CPLP, que se realizou no Porto. Foto: Igor Martins/Global Imagens

Mais de vinte empresários angolanos não participaram nesta iniciativa por não lhes ter sido atribuído visto.

O fim dos vistos para os cidadãos dos nove países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é a principal reivindicação dos empresários deste espaço lusófono, uma medida que consideram essencial para fortalecer o clima de negócios. Esta foi a exigência que mais acendeu o debate na 2ª Conferência Económica do Mercado da CPLP, iniciativa da Confederação Empresarial da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, a decorrer no Porto, até porque houve empresários impedidos de participar.

Segundo Eliseu Gaspar, vice presidente da Associação Industrial de Angola, houve 23 empresários angolanos que não marcaram presença no evento porque não conseguiram visto. Para o dirigente associativo, se Portugal “assumiu a organização desta conferência também tinha que criar condições para que as pessoas pudessem participar”.

Já Eurico Monteiro, embaixador de Cabo Verde em Portugal, frisou que estão a ser dados passos “muito significativos” no projeto da mobilidade entre os países da CPLP e adiantou que “há um consenso político” para que em julho do próximo ano seja apresentado um modelo de supressão de vistos. Como adiantou, o projeto contempla várias modalidades, nomeadamente a possibilidade de parcerias entre países de acordo com as realidades internas.

Tribunal arbitral
Em fase de conclusão está a constituição do Tribunal Arbitral da CPLP. Segundo avançou Orlando Carvalho, presidente da Global CPLP Iuris – Associação Jurídica de Advogados dos Países da CPLP, este sábado será apresentado em Cabo Verde o projeto-piloto da futura instituição, que irá “conferir um mecanismo de segurança e confiança jurídica e económica às relações que venham a ser estabelecidas dentro da CPLP”.

O reforço das ligações económicas entre os nove países da CPLP é a bandeira que une todos os participantes nesta conferência. Como sublinhou o ministro do Comércio de Angola, Jofre Van-Dúnem Júnior, “África é o futuro, o Produto Interno Bruto dobrou em 12 anos, mas precisamos de criação de emprego e estamos dispostos a aceitar parcerias para investir”. O governante lembrou que “Angola está comprometida com a transparência” nos negócios e consciente “que o setor privado é o motor para o desenvolvimento”.

O presidente da CE-CPLP, Salimo Abdula, lembrou que o grande desafio do espaço lusófono é “criar um mercado económico de livre circulação de pessoas, bens, capitais e serviços”, mas esta ambição só é concretizável se “assumirmos que a CPLP é uma tarefa de todos”. Como disse, a ambição é que este espaço político se torne “um dos líderes económicos do planeta”.

Francisco Ribeiro Telles, secretário executivo da CPLP, frisou a necessidade da comunidade “dar saltos qualitativos”, sendo que a nível diplomático funciona bem, e de criar um conselho económico. E frisou: “a componente económica é um novo pilar que está a ser construído na CPLP”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Empresários exigem fim dos vistos no espaço da CPLP