Brexit

Empresas britânicas estão de olho em Portugal

investimento ide aicep
Luís Castro Henriques, presidente da AICEP. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Luís Castro Henriques, presidente da AICEP, acredita que empresas portuguesas vão conseguir adaptar-se à nova realidade pós-brexit, mesmo sem acordo

Que impacto espera para as empresas portuguesas? Estamos preparados para o chamado hard brexit?

É prematuro falar sobre as consequências para as empresas portuguesas, uma vez que ainda está muita poeira no ar, mas é importante que as empresas tenham um plano de diversificação de mercados, como tenho vindo a dizer, nomeadamente para mercados com o mesmo tipo de consumo, como os EUA e o Canadá. O Reino Unido é o quarto mercado das exportações portuguesas de bens e o primeiro mercado de exportações de serviços, importando analisar os vários cenários estimados para o desenlace das negociações, sobretudo no que diz respeito às implicações aduaneiras e pautais, mas também no que diz respeito às barreiras não alfandegárias. As empresas portuguesas terão de se adaptar a uma nova realidade e, dada a sua qualidade e competitividade, estou confiante de que o vão conseguir.

Em que medida a AICEP se preparou para este cenário de uma saída sem acordo?

A AICEP, em Portugal e através da delegação em Londres, tem vindo a trabalhar no sentido de apoiar as empresas portuguesas, esclarecer consistentemente todas as suas dúvidas e questões, aconselhando-as a ter um plano de diversificação. As linhas de apoio à internacionalização de que a AICEP dispõe, através dos fundos do Portugal 2020, podem servir para esse fim. Para apoiar as empresas exportadoras neste esforço de adaptação e informá-las sobre os possíveis impactos do brexit, a AICEP, juntamente com uma série de parceiros que reúne representantes de três ministérios (Finanças, Economia e Negócios Estrangeiros) e a CIP, iniciou um roadshow pelo país. Até à data, houve duas edições generalistas no Porto e em Lisboa e, posteriormente, edições setoriais em Leiria, no Porto e em Aveiro.

Em relação ao investimento direto estrangeiro do Reino Unido em Portugal, que diligências estão em curso com os investidores? Como vai a AICEP explorar eventuais vantagens desta saída?

O Reino Unido é um investidor relevante para Portugal. Sabemos que existem, na sequência do brexit, intenções de investimento de empresas de origem britânica e outras, e a AICEP está atenta e tem acompanhado estes targets de forma muito segmentada. É cedo para prever quais serão as tendências do investimento inglês em Portugal, mas a AICEP tem vindo a trabalhar diariamente na divulgação dos fatores competitivos de Portugal. Temos feito várias ações de larga escala no Reino Unido que têm tido um feedback muito positivo. Neste ano vamos continuar a reforçar a nossa campanha de promoção e estamos em crer que as competências tecnológicas, linguísticas e a qualidade do talento que Portugal oferece serão incluídas nas análises de investimento de alguns setores de atividade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
Empresas britânicas estão de olho em Portugal