Empresas cotadas pedem “reforma verdadeira” do governo das sociedades

A AEM – Associação de Empresas Emitentes de Valores Cotados em Mercados anunciou hoje que apresentou o seu parecer à consulta pública promovida pela CMVM sobre o governo das sociedades (corporate governance).

Em comunicado, a Associação considera que “as empresas cotadas entendem há muito que o mercado de capitais nacional precisa de uma reforma verdadeira do regime legal, regulatório e recomendatório vigente, em matéria de governo das sociedades”.

Nesse sentido, a AEM defende que a “indispensável” reforma do governo das sociedades deve obedecer a quatro objetivos: “simplificação e clarificação do regime regulamentar e recomendatório existente; simplificação e clarificação dos procedimentos de supervisão; maior autonomia e flexibilidade para as sociedades cotadas na escolha das boas práticas de governo societário, à semelhança do que se passa na generalidade dos ordenamentos jurídicos congéneres; diminuição da carga burocrática associada ao regime em vigor, em particular no que respeita às obrigações de reporte de informação a cargo das empresas emitentes”.

Apesar de considerar que contém aspetos positivos, que vão ao encontro das propostas
da AEM e que poderiam conduzir à simplificação e flexibilização do
regime normativo em vigor, a Associação defende que a revisão proposta pela CMVM “mostra-se prejudicada pela introdução de novas exigências de informação a cargo das empresas”.

Abel Sequeira Ferreira, diretor executivo da AEM, explica no documento que “um dos elementos centrais da proposta de revisão apresentada pela CMVM é a criação de um novo Modelo de Relatório que aumenta de forma exacerbada, desproporcionada e injustificada, o ónus informativo a cargo das empresas emitentes, multiplicando o correspondente peso burocrático e os custos associados ao respetivo cumprimento”.

A AEM chama a atenção para a elevada maturidade de que já se reveste o mercado português no que respeita à implementação de boas práticas de governo societário, visto que as empresas emitentes de têm um grau muito alto de cumprimento das recomendações, conforme o comprovam os Relatórios de monitorização da Universidade Católica e da própria CMVM, o que demonstra a desnecessidade de um enquadramento regulamentar e recomendatório ainda mais denso e oneroso.

Abel Sequeira Ferreira explica ainda que “a AEM vê ainda com preocupação a possibilidade de se poder perder uma oportunidade única para a melhoria do ambiente normativo em que se exerce a atividade no mercado de capitais e para a criação de um instrumento útil de atração de mais investimento e novas empresas” e acrescenta que “a Associação tudo fará para continuar a ajudar na simplificação, flexibilização e acrescida transparência das normas que enquadram o mercado de capitais”.

“De outro modo, o excesso de regulamentação continuará a sufocar as sociedades cotadas e a prejudicar o bom (e urgente) desenvolvimento do mercado de capitais nacional enquanto única fonte de financiamento viável alternativa ao financiamento bancário”, conclui Abel Sequeira Ferreira.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
imobiliario

Taxa de juro no crédito à habitação volta a subir em janeiro

O crédito à habitação foi o setor com o valor mais elevado

Redução no IMT obriga a viver seis anos na mesma casa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, durante o terceiro e último dia do 37.º Congresso Nacional do PSD a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa, em Lisboa, 18 de fevereiro de 2018. MÁRIO CRUZ/LUSA

Rio acusa Governo de ser “incapaz” de ter o futuro como prioridade nacional

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Empresas cotadas pedem “reforma verdadeira” do governo das sociedades