Impostos

Entrega do IRS abrandou. Faltam mais de 50% das declarações

irs

A entrada de declarações de IRS no Portal das Finanças bateu este ano todos os recordes. Mas isso foi nos primeiros dias, agora o ritmo abrandou.

Na sexta-feira tinham sido entregues cerca de 2,6 milhões de declarações de IRS. Este domingo, o número pouco tinha mudado havendo agora um total de 2,63 milhões de declarações submetidas – segundo indicam os dados da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Esta quase inatividade contrasta com os números iniciais que mostraram que nos primeiros seis dias foram entregues um milhão declarações. O ritmo estará assim a a abrandar, numa altura em que falta ainda mais de um mês para cumprir com esta obrigação declarativa (31 de maio).

No ano passado foram entregues mais de 5,4 milhões de declarações. A ordem de grandeza deste ano deve ser semelhante (uma vez que os critérios de dispensa não sofreram alterações), pelo que mais de metade dos contribuintes ainda não procedeu à validação e submissão do seu IRS. A grande diferença face a 2017 é que, este ano, é maior o universo de contribuintes abrangido pelo IRS automático, o que ajudará a evitar um congestionamento no acesso para os que deixem esta tarefa para o final do prazo, já que o automático avança sozinho, se for necessário.

A vantagem de se entregar mais cedo está na data de pagamento do reembolso. Tal como no ano passado, a AT demorou menos de duas semanas para fazer chegar o cheque dos contribuintes do IRS automático. Para os restantes, a média rondou os 23 dias de espera.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Entrega do IRS abrandou. Faltam mais de 50% das declarações