Pedrógão Grande

ERC vai averiguar reportagem da TVI em Pedrógão Grande

Fotografia: direitos reservados
Fotografia: direitos reservados

A ERC recebeu "mais de 100 participações que contestam o plano televisivo em que aparece um dos cadáveres da tragédia".

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) fez saber esta tarde que vai averiguar a reportagem transmitida ontem no Jornal Nacional da TVI, sobre os incêndios em Pedrógão Grande. Em causa está a reportagem em que Judite de Sousa, diretora-adjunta de informação da estação, é filmada junto ao corpo de uma das vítimas da tragédia que vitimou pelo menos 63 pessoas e feriu outras 135.

Em comunicado, o Conselho Regulador da ERC diz ter decidido, “esta manhã, abrir um procedimento de averiguações a uma reportagem emitida na edição de ontem do Jornal Nacional da TVI, sobre os incêndios em Pedrógão Grande.” Na origem das averiguações estão as “mais de 100 participações que contestam o plano televisivo em que aparece um dos cadáveres da tragédia” e que desde então chegaram à ERC.

“A ERC, consciente do estado de choque em que o país se encontra, sintoniza-se com a sociedade portuguesa e espera que a comunicação social seja de uma sensibilidade profissional a toda a prova, neste momento de luto nacional”, pode ler-se na mesma nota.

O Sindicato de Jornalistas já tinha emitido esta tarde um comunicado em que aconselhava uma “cobertura noticiosa sóbria e rigorosa” dos incêndios. Na nota hoje divulgada, o sindicato apelou aos jornalistas “para que não cedam ao sensacionalismo” e recordou os pontos 7.º e 9.º do Código Deontológico dos Jornalistas, “nomeadamente no que diz respeito à necessidade de ‘atender às condições de serenidade, liberdade e responsabilidade das pessoas envolvidas’ nos acontecimentos que relatam e de ‘[não] perturbar a sua dor'”.

Na reportagem ontem transmitida, que valeu a Judite de Sousa fortes críticas nas redes sociais, a jornalista aparecia junto a um corpo coberto por um lençol branco, num perímetro de segurança delineado pelas autoridades. Confrontada pela N-TV sobre as críticas de que está a ser alvo, a jornalista recusou comentar, tendo dito apenas “no comments”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
ERC vai averiguar reportagem da TVI em Pedrógão Grande