Imobiliário

Espanhóis da MK Premium vão investir 15 milhões em Lisboa e Porto

(Joao Silva/ Global Imagens)
(Joao Silva/ Global Imagens)

A gestora de ativos imobiliários prevê anunciar novas aquisições de imóveis "em breve".

Ruas centrais de Lisboa, Ribeira do Porto e Cais de Vila Nova de Gaia. São estes os alvos da MK Premium em Portugal nos próximos três anos.

A gestora espanhola de ativos imobiliários, que entrou no país há um ano, comprou nove edifícios em Portugal em 2018, tendo investido cerca de sete milhões de euros, prevendo “multiplicar” esse número nos próximos meses.

Segundo uma nota enviada esta quinta-feira, a MK Premium prevê “duplicar o investimento na aquisição de imóveis em Lisboa e no Porto até aos 15 milhões de euros” em 2019.

“Lisboa ainda vivencia uma explosão de investimento muito importante, já que é a capital. Isto levou à melhoria do estado de muitos prédios, a maioria localizados no centro histórico, contribuindo assim para o aumentar do seu stock imobiliário”, sublinha Daniel Leiva, sócio fundador da empresa, citado no comunicado.

A norte, além do centro histórico do Porto, a gestora de imóveis quer apostar na margem sul do Douro. É em Vila Nova de Gaia que a empresa “pretende iniciar uma nova estratégia de negócio aproveitando as sinergias, quando se concluir a construção do centro de exposições da Cidade do Vinho. Um impressionante edifício de 30 mil metros quadrados que irá trazer a cada ano cerca de meio milhão de visitantes”, explica o responsável.

Em 2018 a MK Premium comprou dois prédios residenciais em Vila Nova de Gaia, na rua Cândido dos Reis. Um dos edifícios, composto por oito apartamentos e que custou 500 mil euros, vai ser este ano submetido “a um importante projeto de reabilitação”.

A gestora de imóveis promete também anunciar “em breve” as próximas aquisições no país, “já que está prestes a fechar várias operações”. A empresa registou 370 mil euros de lucro em Portugal no ano passado e quer chegar aos dois milhões de euros no final de 2019.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Espanhóis da MK Premium vão investir 15 milhões em Lisboa e Porto